cana-de-açúcar

Pesquisadores renomados discutirão amplamente as ações dos principais Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar e a Cana energia no Brasil em evento na cidade de Ribeirão Preto/SP.

“Um esforço contínuo de grupos de pesquisa brasileiros, na área do melhoramento genético, possibilitou a seleção e lançamento de genótipos com adaptação regional e com boa estabilidade fenotípica proporcionando segurança aos projetos de bioenergia implantados ao longo desses anos todos”, diz Marcos Landell, pesquisador do IAC. Landell será o moderador do segundo painel do Simpósio “Integração da Pesquisa Pública com Cana de Açúcar no Brasil”, que acontece no dia 15 de março no Centro de Convenções do IAC.

O evento tem por objetivo de reunir instituições públicas e privadas que representem setores da pesquisa, produção e políticas públicas para o setor sucroenergético e em áreas afins visando apresentar e discutir: pesquisa pública em cana-de-açúcar, novas tecnologias, tendências e desafios para o setor. Em quatro painéis serão debatidos o Setor sucroalcooleiro energético: situação atual e perspectivas, novas tecnologias para a cultura da cana-de-açúcar, sistemas de produção atual e novas tecnologias para a cultura, além do melhoramento genético.

De acordo com Landell, a área de melhoramento genético é fundamental para que o Brasil eleve sua posição e relevância na área de Bioenergia. “Em sessenta anos, a canavicultura do Brasil se expandiu de maneira surpreendente, migrando de regiões tradicionalmente citadas como aptas para este cultivo, para uma grande diversidade de ambientes edafoclimáticos, onde as restrições hídricas são tão acentuadas a ponto de limitar o cultivo de outras culturas de perfil perene, ou onde os solos apresentam restrições físico-químicas que restringem os níveis de produtividade agroindustrial”, salienta. Isso seu deu em grande parte devido aos trabalhos de melhoramento genético que selecionaram novas variedades adaptadas às essas condições.

Um dos braços importantes do projeto Pluricana, que envolve 22 instituições públicas com recursos da Finep é o melhoramento genético, conta Hugo Molinari, pesquisador da Embrapa Agroenergia e coordenador do projeto. Entre outras ações busca-se ampliar o banco de germoplasma, bem como conduzir a sua caracterização fenotípica, molecular e biométrica, para servir como uma ferramenta a mais para potencializar os programas de melhoramento de cana no país. O projeto também conta com ações integradas de biologia avançada para uso e implementação de marcadores moleculares para uma melhor gestão e organização da variabilidade de bancos ativos de germoplasma de cana-de-açúcar e obtenção de perfis moleculares altamente discriminativos que permitam a identificação de acessos duplicados e o estabelecimento de coleções nucleares de forma racional, acrescenta Landell.

Contempla ainda ações para uso da seleção genômica ampla, integrada aos programas de melhoramento para obtenção de novos cultivares e a transformação genética para incorporação de genes de interesse são algumas das iniciativas desta grande rede. Estas e outras novidades serão abordadas pelos palestrantes do painel que, em última análise, servirão, ressalta Landell, como pano de fundo para as discussões do dia.

Pretendemos ainda abordar como a biotecnologia poderá figurar como uma aliada importante nos programas de melhoramento de cana-de-açúcar. A aplicação de marcadores moleculares na gestão e organização da variabilidade de Bancos de germoplasma de cana-de-açúcar, a obtenção de perfis moleculares altamente discriminativos que permitam a identificação de acessos duplicados e o estabelecimento de coleções nucleares auxiliando na utilização racional do germoplasma, facilitando assim, uma melhor gestão do Banco. Ainda, destacaremos, conta o coordenador do segundo Painel, a seleção genômica e como que, em um futuro próximo, poderá ser integrada aos programas de melhoramento reduzindo o tempo de desenvolvimento de novas cultivares. Neste contexto, destacaremos também, a transformação genética para a incorporação de genes de interesse (muitos dos quais identificados via RNAseq), como aqueles que conferem tolerância a seca e os envolvidos no processo de sacarificação, por exemplo, reforça Landell.

Dessa maneira, neste painel, serão abordados e discutidos, as principais ações do melhoramento genético da cana-de-açúcar, que poderão, em futuro próximo, colaborar para uma elevação de produtividade de etanol/hectare, dos atuais 6 mil litros, para números superiores a 10 mil litros.

As inscrições para o Simpósio são gratuitas, porém as vagas são limitadas a 350 participantes e podem ser feitas pelo site www.embrapa.br/simposio-cana

Acompanhe as novidades no site e no Facebook no perfil da Embrapa Agroenergia. O Simpósio é uma realização da Embrapa, STAB, Programa Cana IAC, Ridesa, Projeto Pluricana/Finep, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Governo Federal.

Jornalista Responsável
Daniela Collares (MTb/114/01 RR)
Embrapa Agroenergia
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Telefone: (61)3448-1581
Colaboração: Aline Rocha

Pin It