seminário internacional Cannabis medicinal

Durante a 2ª edição do seminário internacional Cannabis medicinal: um olhar para o futuro, na mesa Dissecando as bases científicas da Cannabis medicinal (29/6) foram apresentadas pesquisas básicas que mostram o grande potencial das substâncias da cannabis. As evidências científicas apontam que pacientes de diversas doenças, como esclerose múltipla, depressão, doença de Parkinson e transtorno de ansiedade, poderiam se beneficiar dos canabinóides.

A farmacêutica Luzia Sampaio, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mostrou sua pesquisa sobre uso do extrato de canabidiol no tratamento de doenças neurológias. Os resultados dos estudos, feitos com ratos mantidos em tratamento por duas semanas, atestam que não há comprometimento no ganho de peso corporal ou no comportamento alimentar de quem usa a substância, o que é uma preocupação da comunidade científica que estuda o assunto. Outro ponto que é importante nesse sentido refere-se ao nível de aprendizado e perda de memória de curto prazo, o que os testes realizados também mostram que não há alteração. 

Já as pesquisas do biólogo Agustín Riquelme, também do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, concentram-se nos efeitos dos canabinóides no sistema nervoso central, especificamente para quem sofre de esclerose múltipla. “Os indícios nos levam a acreditar que será possível usar não como paliativo para dor ou diminuir os sintomas, como prevíamos inicialmente, mas realmente na cura da doença, uma vez que os canabinóides podem atuar na regeneração celular”, explicou Riquelme.

A terceira pesquisa apresentada na mesa foi de Alline de Campos, do Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP). A pesquisadora analisa o efeito das substâncias da cannabis no tratamento da ansiedade patológica. “Poderíamos nos perguntar se precisamos de mais um medicamento para males como depressão ou ansiedade, já que existem vários. É necessário pensar que um remédio ansiolítico demora em média um mês para fazer efeito e isso leva a pouca aderência ao tratamento”, afirmou. A farmacêutica ressaltou que as pesquisas ainda são iniciais, feitas em animais, mas que o canabidiol funciona mais rápido, em uma semana já se vê melhora, e tem menos efeitos adversos que os antidepressivos clássicos.

Para terminar o primeiro dia de seminário, o pesquisador Ismael Galve-Roperh, da Universidade Complutense de Madri, mostrou o que há de mais recente na Espanha sobre canabinóides e neurodesenvolvimento. Galve-Roperh começou sua fala com um alerta: “Não existem verdades absolutas na ciência, o canabidiol não pode ser visto de forma extrema, nem pelos críticos, nem por quem defende o uso, não há milagre”. Segundo o espanhol, a cannabis é de complexa farmacologia, provavelmente terá de ser combinada com outros medicamentos, para alcançar os resultados esperados, especialmente no uso para tratar epilepsia e convulsões. “A neurociência foi a área que despertou o interesse dos pesquisadores para a cannabis, de início as pesquisas queriam demonstrar os efeitos prejudiciais, por conta do contexto político, mas hoje vejo na América Latina uma ‘boa-vontade’ maior para os estudos na área, mais do que na Europa”, finalizou.

Esperanças em novos tratamentos

Na manhã de domingo (30/6), entre as diversas sessões com abordagens científicas de tratamentos com base na cannabis, uma delas foi dedicada à relação entre cannabis e autismo. A moderadora foi Cecilia Hedin (Fiocruz/UFRJ), e a mesa, com uma abrangência mais ampla do que a temática proposta inicialmente, teve a participação do biólogo espanhol Ismael Galve-Roperh (Universidad Complutense de Madrid), do neurologista Eduardo Faveret (Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer - IEC), da psiquiatra Eliane Nunes (Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis) e da anestesiologista Adriana Faria (Hospital de Ipanema/ Maternidade Carmela Dutra).

Ismael Galve-Roperh
Participante de ambas as mesas, o pesquisador Ismael Galve-Roperh mostrou o que há de mais recente na Espanha sobre canabinóides e neurodesenvolvimento (foto: Gabriela Garcez)

Os palestrantes relataram experiências que foram desde pesquisas bioquímicas sobre os efeitos da cannabis em enfermidades neuropsiquiátricas, passando pelo histórico e desafios atuais do uso dos derivados da planta e por uma abordagem integrativa de doenças e sintomas Transtorno do Espectro Autista (TEA). Como destaque mais diretamente relacionado ao tema inicial, Faveret apresentou resultados de um estudo observacional do efeito do canabidiol em pacientes do IEC.

As observações sugerem a hipótese de análise do autismo como uma síndrome de insuficiência endocanabinoide, ou seja, de neurotransmissores presentes no sistema nervoso central e periférico dos vertebrados, envolvidos na regulação de uma variedade de processos fisiológicos e cognitivos. O neurologista mostrou resultados da aplicação da Escala de Avaliação do Autismo na Infância (Cars, na sigla em inglês) entre pacientes do IEC que fazem uso do canabidiol. Para a quase totalidade do grupo observado, o uso do canabidiol proporcionou melhora, em graus diferenciados, para cada um dos 15 quesitos avaliados pela escala Cars, como interação com as pessoas, uso do corpo e de objetos, adaptação a mudanças, reação a estímulos, medo ou nervosismo, comunicação verbal e não verbal.

Entre os palestrantes prevalece a impressão de que a cannabis pode, sim, ajudar em quadros como o autismo em crianças e em outros agravos. No entanto, pode também potencializar problemas, como malformações intrauterinas no consumo durante a gravidez, ou, em determinadas condições, o desencadeamento de sintomas de esquizofrenia e outros transtornos psíquicos. Certeza mesmo é da necessidade e urgência de estudos científicos mais conclusivos da interação entre os elementos presentes na cannabis e o corpo humano.

Daniela Rangel e Gustavo Mendelsohn de Carvalho
Agência Fiocruz de Notícias

Pin It