Instituto Pasteur

Pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) participaram, nos dias 25 e 26 de abril, do International Zika Summit 2016, conferência que reuniu, na sede do Instituto Pasteur, em Paris, mais de 600 cientistas e profissionais de saúde pública de diversos países do mundo que se dedicam a investigação de diferentes aspectos que envolvem o vírus zika. Promovido pelo Instituto Pasteur, Fundação Bill e Melinda Gates e Fundação Wellcome Trust, o congresso teve como objetivo integrar a comunidade científica, mobilizar esforços e ampliar parcerias entre renomados pesquisadores. 

Chefe do Laboratório de Mosquitos Transmissores de Hematozoários do IOC, Ricardo Lourenço foi o único entomologista carioca convidado a palestrar durante o evento. O especialista abordou a Bioecologia e controle de Aedes no Brasil, na qual apresentou os aspectos biológicos e históricos do vetor no país. Lourenço tem se dedicado aos estudos da interação entre mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus e o vírus zika. Uma destas investigações avaliou a competência vetorial de mosquitos do gênero Aedes para a transmissão do vírus zika em cinco países: Brasil, Estados Unidos, Guiana Francesa, Martinica e Guadalupe.  

Contribuindo para a sessão de pôsteres do congresso, a pesquisadora Maria Goreti Rosa-Freitas, do mesmo Laboratório, compartilhou informações sobre estudo que aborda os riscos e condições para a emergência de arboviroses, incluindo Zzka, dengue e chikungunya, na Grécia. Já a chefe do Laboratório de Biologia Molecular de Flavivírus do IOC, Myrna Bonaldo divulgou estudo sobre o isolamento de vírus zika, com potencial de infecção, a partir de amostras de urina e saliva de pacientes no Brasil. A descoberta foi publicada no site ‘bioRxiv’, que disponibiliza pesquisas online antes da publicação em revistas científicas. Já o diretor do IOC, Wilson Savino, representou a Fiocruz em cooperações com o Instituto Pasteur sobre o tema.

Divididas por sessões temáticas, as palestras discutiram, ainda, temas de relevância como diagnóstico, imunização, a relação entre o vírus zika e a microcefalia, complicações neurológicas e a Síndrome de Guillain-Barré.

Lucas Rocha
IOC/Fiocruz

Pin It