Cinema

Flyer - Curso de TV e Cinema

Estão abertas, até o dia 31 de agosto, as inscrições para o Curso Intensivo para TV e Cinema nas unidades paulista e carioca da Escola de Atores Wolf Maya.

Com metodologia desenvolvida por Wolf Maya, o Curso Intensivo para TV e Cinema proporciona ao aluno o domínio das técnicas de atuação para câmera. O método é focado no desenvolvimento das habilidades cênicas nas linguagens de televisão e cinema. A partir da gravação de cenas dramáticas e de constante avaliação dos professores, são trabalhadas técnicas de posicionamento em cena, noções de enquadramento, áreas, planos e movimentos de câmera, entre outros exercícios específicos para atuação frente às câmeras.

A turma Iniciante é formada por alunos que não têm experiência com interpretação em frente às câmeras; a turma Avançada tem como foco alunos que já participaram de cursos de interpretação para TV ou já fizeram trabalhos na televisão; já a turma Profissional é para atores e atrizes formados(as), que possuem DRT e buscam aprimoramento nesse campo. Informações detalhadas no site: http://wolfmaya.com.br/cursos/

Inscrições – São Paulo

Em São Paulo, o curso é divido em três turmas - Iniciante, Avançada e Profissional - com duração de quatro meses. As aulas têm início no dia 2 de setembro. A matrícula pode ser feita pelo e-mail This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it. ou de forma presencial na unidade. Os documentos necessários são: RG, CPF, comprovante de residência e uma cópia do DRT (apenas alunos da turma profissional).

Na capital paulista a Escola de Atores Wolf Maya está localizada no 3º piso do Shopping Frei Caneca, à Rua Frei Caneca, nº 569. Telefones: (11) 3472-2444 ou (11) 94790-8386 (WhatsApp).

Inscrições – Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro o curso oferece duas turmas – Iniciante e Avançada – com duração de três meses. Nesta unidade as aulas começam no dia 13 de setembro. A matrícula online pode ser feita pelo e-mail This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it. ou presencialmente na Escola, apresentando RG, CPF e comprovante de residência.

A Escola de Atores Wolf Maya, no Rio de Janeiro, está localizada no Freeway Center, à Avenida das Américas, nº 2.000, Barra da Tijuca. Telefones: (21) 3388-5864 ou (21) 97919-2449 (WhatsApp).

Babe, o Porquinho Atrapalhado

A convivência com os animais faz parte da vida humana desde a pré-história. O que se resumia a uma relação entre caça e caçador foi evoluindo para a domesticação, até chegar ao que existe hoje: se, por um lado, algumas espécies continuam sendo vistas apenas como fonte de alimento, hoje produzido em nível industrial, por outro, bichos como cachorros e gatos são levados para dentro de casa e recebem carinho tanto quanto amigos ou parentes.

Na nova mostra do Cinema da USP Paulo Emílio (Cinusp), a relação entre homem e animais será o tema principal. Nossos Melhores Amigos fica em cartaz desta segunda-feira, dia 22, até 12 de maio, trazendo uma seleção com diversos filmes que abordam a questão no cinema. “É um tipo de vínculo muito diferente do vínculo humano. A relação que temos com animais domésticos tem um caráter muito mais incondicional”, diz o cocurador Lucas Silva.

Dentre os filmes selecionados há desde o clássico da sessão da tarde Babe, o Porquinho Atrapalhado (1995), até Kes (1969), do premiado diretor britânico Ken Loach, que conta a história de um menino de classe baixa que cria um falcão como bicho de estimação. No “docudrama” Camelos Também Choram (2003), o foco é uma família nômade que cuida de um filhote de camelo rejeitado por sua mãe. Já no japonês Futuro Brilhante (2003), o protagonista é um menino que tem como companheira uma água-viva.

“Os filmes mostram relações de amizade, mas que também são muito diferentes entre si”, explica Lucas. “O carinho que você tem por um bicho que responde ao modo como você fala com ele é diferente da relação com um bicho que você cuida mas não tem resposta, como uma água-viva.”

A Gata que Andava Sozinha
Inédito no Brasil, filme russo A Gata que Andava Sozinha conta a história da relação entre humanos e animais – Foto: Divulgação/Cinusp

Outro destaque é a animação A Gata que Andava Sozinha (1988), da diretora Ideya Garanina. Feito na então União Soviética, o filme combina animação com fantoches, stop motion e animação 2D, e é justamente uma fábula sobre a origem da relação entre humanos e animais. O filme é inédito no Brasil, e a equipe do Cinusp fez a tradução das legendas especialmente para a mostra.

Além da exibição dos filmes, haverá também uma sessão especial. No dia 25 de abril, o pesquisador Douglas Kawaguchi estará presente para um debate após a exibição de Babe, o Porquinho Atrapalhado, às 19 horas. Doutorando em Psicologia pela USP, Kawaguchi falará sobre a relação entre humanos e animais na sociedade ocidental.

As sessões da mostra Nossos Melhores Amigos acontecerão no Cinusp (Rua do Anfiteatro, 181, Colmeias, Favo 4, Cidade Universitária, em São Paulo), de segunda a sexta, às 16 e às 19 horas, e também no Centro Universitário Maria Antonia da USP (Rua Maria Antonia, 258, Vila Buarque, em São Paulo), aos sábados e domingos, às 18 e às 20 horas. Para conferir a programação completa, acesse o site do Cinusp.

Matheus Souza
Jornal Da USP

Ecofalante

Estão abertas até 11 de março de 2019 as inscrições para o concurso curta Ecofalante da 8ª Mostra Ecofalante de cinema ambiental, que é gratuita e será realizada em São Paulo, em junho de 2019.

Os filmes selecionados para o Concurso Curta Ecofalante concorrerão em três categorias: Universitário, Ensino Técnico e Cursos Livres de Cinema (com prêmio de R$ 3.000); Ensino Médio; e Melhor Filme pelo Público.

Serão aceitas obras brasileiras, finalizadas a partir de 2017, sem restrições quanto a gênero, com no máximo 30 minutos de duração. Os filmes devem tratar de temáticas ambientais como: energia, água, mudanças climáticas, consumo, povos e lugares, ativismo ambiental, resíduos sólidos, contaminação ou poluição, políticas públicas socioambientais, mobilidade, habitação, áreas verdes, áreas urbanas, alimentação, economia verde, globalização, vida selvagem, sustentabilidade, entre outras.

Para se inscrever, o detentor dos direitos autorais do filme deverá enviar à organização da mostra, por meio do site, a ficha de inscrição com link seguro do filme (com senha, do vimeo, youtube, ou semelhante) e comprovante de matrícula ou histórico escolar de um integrante da equipe (referente ao período de realização do filme).

Além da competição, a programação do evento conta com a Mostra Contemporânea Internacional (não competitiva), que apresenta os mais novos filmes dos principais festivais de cinema e documentários do mundo, a Competição Latino-Americana, que premia os melhores filmes ambientais latino-americanos, o Panorama Histórico, com filmes clássicos de diretores renomados que nos oferecem um outro olhar para a questão ambiental, a Homenagem a um diretor de relevância histórica para a causa e a Mostra Escola e o Programa Ecofalante Universidades, que levam filmes e debates para dentro do ambiente de ensino.

O festival é organizado pela Ecofalante, uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo a educação para o desenvolvimento sustentável.

Mais informações: http://ecofalante.org.br/competicao/concursocurta.

Agência FAPESP

Kbela

Em novembro, a programação de cinema do Sesc Belenzinho traz arte, reflexão e capacitação cinematográfica. O destaque do mês é o projeto Diretoras Negras que traz uma seleção de filmes de curta-metragem e documentários produzidos e dirigidos por mulheres negras. Todas as atividades e sessões são grátis.

A Sessão de Curtas do dia 6/11 reúne os seguintes filmes: Mulheres negras: projetos de mundo (de Day Rodrigues), Kbela (de Yasmin Thayná), Cabelo Bom (de Swahili Vidallaude Cláudia Alves) e O dia de Jerusa (de Viviane Ferreira). Já a sessão do dia 27/11 traz as obras: Travessia (de Safira Moreira), Mucamas (de Nós, Madalenas) e Aquém das Nuvens (de Renata Martins). As exibições têm início às 19h30.

Os documentários programados são: Minha Avó Era Palhaço, dirigido por Mariana Gabriel, no dia 13/11, às 19h30; e O Caso do Homem Errado, com direção de Camila de Moraes, no dia 24/11, às 19h, tendo este bate-papo com a diretora ao final da sessão.

Completando a programação, o cineasta Cristiano Burlan (diretor e roteirista, entre outros, da trilogia Trilogia do Luto) ministra, nos dias 10 e 11/11, curso Narrativas Documentais; e Camilla Martinez (produtora, diretora de atores e de arte) está à frente do curso Direção de Arte (em andamento, até 22/11)

E para a garotada, o projeto Filminho traz exibição de filmes produzidos para o público infantil que prometem divertir pais e filhos, aos domingos, às 17 horas.

Diretoras Negras - Exibição de filmes produzidos e dirigidos por mulheres negras.

Exibição: Sessão de curtas - 6/11

Mulheres negras: projetos de mundo - (Day Rodrigues, 2016, 25 min) - Nove mulheres, muitas vozes do presente, sem perder as referências do passado. Através de vivências e reflexões, o documentário levanta questões e instiga em poéticas as minúcias do que é ser mulher negra no Brasil.

Kbela - (Yasmin Thayná, 2015, 22 min) - Uma experiência audiovisual sobre ser mulher e tornar-se negra. Kbela é uma experiência audiovisual realizada de forma colaborativa por mulheres negras sobre mulheres negras. Com roteiro e direção de Yasmin Thayná, o filme recebeu o prêmio de Melhor Curta-metragem da Diáspora Africana da Academia Africana de Cinema (AMAA Awards 2017) e foi convidado para dezenas de festivais ao redor do mundo, entre eles o Festival Internacional de Cinema de Roterdã (IFFR, 2017) e Fespaco – Festival Panafricano de Cinema e Televisão de Ouagadougou, em Burkina Faso, o maior do continente africano.

Cabelo Bom - (Swahili Vidal, Claudia Alves, 2017, 15 min) Como as mulheres negras são pressionadas esteticamente para que se enquadrem em padrões pré-estabelecidos? O documentário de curta metragem “Cabelo bom“ propõe fazer um recorte desse universo. O filme dá voz a três personagens que expõe a relação delas e seu cabelo crespo. Elas conseguem contar suas trajetórias de vida, histórias de preconceito e nos mostrar como a autoaceitação de suas raízes, capilares, inclusive, foi e é fundamental para se afirmarem como mulheres negras num país como o Brasil.

O Dia de Jerusa - (Viviane Ferreira, 2014, 20 min) - Bixiga, coração de São Paulo. Jerusa, moradora de um sobrado envelhecido pelo tempo, em um dia especial, recebe Silvia, uma pesquisadora de opinião que circula pelo bairro convencendo pessoas a responderem questionários para uma pesquisa de sabão em pó. No momento em que conhece Silvia, Jerusa a proporciona uma tarde inusitada repleta de memórias, convidando-a a compartilhar momentos de felicidade com uma “desconhecida".

Local: Teatro. Grátis. Não recomendado para menores de 14.
06/11. Terça, das 19h30 às 21h

Exibição: Sessão de curtas - /11

Travessia - (Safira Moreira, 2017, 5 min) - Utilizando uma linguagem poética, Travessia parte da busca pela memória fotográfica das famílias negras e assume uma postura crítica e afirmativa diante da quase ausência e da estigmatização da representação do negro.

Mucamas - (Nós, Madalenas, 2015, 16 min) - O documentário conta a história da vida de mulheres que são ou já foram empregadas domésticas, expondo suas lutas e desigualdades. Ao centro, o enraizado pensamento da casa grande sob a senzala e o discurso do 'trabalho e desenvolvimento' que garante a manutenção da lógica serviçal, de herança claramente escravocrata: preconceitos, distâncias, muros, pontes, remuneração, relações de poder, patroas, empregadas. Narrada pelas trabalhadoras, a direção do filme é das próprias filhas, e por isso propõe também uma importante reflexão sobre representatividade e a construção de narrativas populares.

Aquém das Nuvens - (Renata Martins, 2011, 17 min) - Nenê é casado com Geralda, há 30 anos. Em uma tarde de domingo, como de costume, ele vai à roda de samba.

Local: Teatro. Grátis. Não recomendado para menores de 14.
27/11. Terça, das 19h30 às 20h30

Exibição/Doc: Minha Avó Era Palhaço
(Dir. Mariana Gabriel, 2016, 52 min)

A trajetória artística de Dona Maria Eliza Alves dos Reis, a primeira palhaça negra do Brasil. O documentário destaca também a influência dos negros no espetáculo circense e o preconceito que sofriam nesse meio.

Local: Teatro. Grátis. Livre.
13/11. Terça, das 19h30 às 20h30

Exibição/Doc: O Caso do Homem Errado
(Dir. Camila de Moraes, 2017, 87 min).

O documentário conta a história do jovem operário negro, Júlio César de Melo Pinto, que foi executado pela Brigada Militar, nos anos 1980, em Porto Alegre. O crime ganhou notoriedade após a imprensa divulgar fotos de Júlio sendo colocado com vida na viatura e chegar, 37 minutos depois, morto a tiros no hospital. O filme traz o depoimento de Ronaldo Bernardi, fotógrafo que fez as imagens que tornaram o caso conhecido, de Juçara Pinto, viúva do operário, e de nomes respeitados da luta pelos direitos humanos e do movimento negro no Brasil.

Após exibição, haverá um bate-papo com a diretora.
Local: Teatro. Grátis. Não recomendado para menores de 10.
24/11. Sábado, às 19h

Cursos

Curso: Direção de Arte
Com Camilla Martinez

O curso tem o objetivo de oferecer ao aluno a capacidade de traduzir em imagens narrativas a interpretação do roteiro por meio de decupagem e pesquisa. Pela ampliação de referências teóricas e visuais surgem novas necessidades de criação. E, pela prática, o aluno conquista seu estilo de trabalho e domínio da linguagem, expandindo as influências e inspirações do indivíduo, treinando-o para um olhar inédito e criativo da concepção artística, excluindo a possibilidade óbvia e plana. Camilla Martinez é pós-graduada em Direção de Arte, pela Universidade Belas Artes, e graduada em Artes Cênicas pela Faculdade Célia Helena. Em 2011, realizou o curso Acting on Impulse na instituição Volkshochschule (Escola do Povo), em Frankfurt, sobre atuação e direção de cena, a partir dos estudos de Stanislavski. Atriz e diretora de arte, ela tem seu trabalho voltado para teatro de grupo e produção audiovisual independente. Fez parte do Grupo Redimunho de Investigação Teatral; realizou Workshops sobre direção de arte com ênfase em criação e criatividade em unidades do Sesc. Atualmente, concilia produções independentes de teatro e cinema com a função de arte-educadora de direção de atores e direção de arte no Centro de Audiovisual-CAV, além de arte-educadora no método Fátima Toledo.

Local: Oficina 3.
Grátis. Não recomendado para menores de 16.
Até 22/11. Quintas, das 19h às 22h

Curso: Narrativas Documentais
Com Cristiano Burlan

Pela perspectiva da direção e produção independentes, Cristiano Burlan propõe uma reflexão sobre os meios e modos de produção e realização do documentário no Brasil, buscando compreender se existe uma distinção entre documentário e ficção. Por meio da experiência com a Trilogia do Luto, composta pelos filmes Mataram Meu Irmão, Elegia de um Crime e Construção, Cristiano aborda as possibilidades de realizar filmes autobiográficos, em primeira pessoa, que propõem diálogos sobre a violência na periferia através de problemáticas pessoais. Cristiano Burlan nasceu em Porto Alegre. É diretor de cinema e teatro e professor. Sua filmografia contém mais de 20 filmes, entre ficções e documentários. Realizou a Tetralogia em Preto e Branco composta por quatro longas-metragens sobre a cidade de São Paulo: Sinfonia de Um Homem Só, Amador, Hamlet e Fome (premiado no último Festival de Brasília do Cinema Brasileiro). Seu documentário Mataram Meu Irmão (2013) foi o vencedor do É Tudo Verdade 2013, angariando os prêmios de Melhor Filme do Júri Oficial e da Crítica; do 4º Festival Sesc de Melhores Filmes como Melhor Documentário do Ano; e do Prêmio do Governador do Estado de São Paulo como Melhor Filme. Em 2016, escreveu o roteiro do longa-metragem A Mãe, que foi selecionado para o 7º Brasil CineMundi - International Coproduction Meeting e ganhou o prêmio de co-produção internacional para participar do Cinélatino, Rencontres de Toulouse - France. Em 2018, lançou o longa-metragem de ficção em que dirigiu e roteirizou, Antes do Fim, co-produção com o Canal Brasil que tem como protagonistas Helena Ignez e Jean-Claude Bernardet. No mesmo ano, estreou no Festival É Tudo Verdade, em competição, o documentário Elegia de um Crime, sobre o assassinato de sua mãe; o filme encerra a Trilogia do Luto, composta também por Construção e Mataram Meu Irmão.

Local: Espaço de Tecnologias e Artes
Livre. Grátis.
10/11 a 01/12. Sábados, das 10h30 às 13h30

Filminho: Exibição de filmes infantis para divertir pais e filhos.

Exibição: Monstros S.A.
(Dir. Pete Docter, David Silverman e Lee Unkrich. 2001. 1h32min.)

Monstros S.A. é a maior fábrica de sustos existente. Localizada em uma dimensão paralela, a fábrica constrói portais que levam os monstros para os quartos das crianças, onde eles poderão lhes dar sustos e gerar a fonte de energia necessária para a sobrevivência da fábrica. Entre todos os monstros que lá trabalham o mais assustador de todos é James P. Sullivan, um grande e intimidador monstro de pêlo azul e chifres, que é chamado de Sully por seus amigos. Seu assistente é Mike Wazowski, um pequeno ser de um olho só com quem tem por missão assustar as crianças, que são consideradas tóxicas pelos monstros e cujo contato com eles seria catastrófico para seu mundo. Porém, ao visitar o mundo dos humanos a trabalho, Mike e Sully conhecem a garota Boo, que acaba sem querer indo parar no mundo dos monstros.

Local: Oficina III. Livre. Grátis.
04/11. Domingo, às 17h

Exibição: Universidade Monstros
(Dir. Dan Scanlon. 2013. 1h44min.)

Mike Wazowski e James P. Sullivan é uma dupla inseparável em Monstros S.A., mas nem sempre foi assim. Quando se conheceram na universidade, os dois jovens monstros se detestavam, com Mike sendo um sujeito estudioso, mas não muito assustador, e Sulley surgindo como o cara popular e arrogante, graças ao talento inerente para o susto. Após um incidente durante um teste, os dois são obrigados a participar da mesma equipe na Olimpíada dos Sustos. A equipe, por sinal, é formada por uma série de monstros desajustados, para o desespero de Sulley, acostumado a conviver com os caras mais populares da escola.

Local: Oficina III. Livre. Grátis.
11/11. Domingo, às 17h

Exibição: Hotel Transilvânia
(Dir. Genndy Tartakovsky. 2012. 1h31min.)

O Hotel Transilvânia é um resort cinco estrelas que serve de refúgio para que os monstros possam descansar do árduo trabalho de perseguir e assustar os humanos. O local é comandado pelo Conde Drácula, que resolve convidar os amigos para comemorar, ao longo de um fim de semana, o 118º aniversário de sua filha Mavis. O que ele não esperava era que Jonathan, um humano sem noção, fosse aparecer no local justo quando o hotel está repleto de convidados e, ainda por cima, se apaixonasse por Mavis.

Local: Oficina III. Livre. Grátis.
18/11. Domingo, às 17h

Serviço

Sesc Belenzinho
Rua Padre Adelino, 1000 - São Paulo/SPTelefone: (11) 2076-9700 / www.sescsp.org.br/belenzinho

A Hora do Lobo

Adulto

O Lobo à Espreita – Uma Homenagem ao Centenário de Ingmar Bergman

A mostra traz um recorte da obra do cineasta sueco, apresentando desde suas obras clássicas até os títulos menos conhecidos.

Exibição: Morangos Silvestres (Smultronstället)

(Dir. Ingmar Bergman, 1957, 93 min.)

Victor Sjöström é Isak Borg, um velho professor de medicina que reavalia a sua vida enquanto viaja para a universidade em que se formou para receber um título de doutor honoris causa. Borg viaja com sua estranha nora, Marianne (Ingrid Thulin) e revisita muitos marcos de seu passado, em especial as memórias de sua família e de Sara (Bibi Andersson), sua paixão de juventude. Morangos Silvestres é considerado um dos melhores filmes do diretor sueco Ingmar Bergman.

Local: Teatro. 14 anos. Grátis.

14/08. Terça, das 19h às 20h40.

Exibição: Persona – Quando Duas Mulheres Pecam (Persona)

(Dir. Ingmar Bergman, 1966, 81 min.)

Elisabet Vogler (Liv Ullmann) é uma atriz que ficou muda de repente, e seu tratamento se dá numa pequena vila à beira-mar, sob os cuidados da enfermeira Alma (Bibi Andersson). As duas passam o tempo juntas, com Alma sempre falando sem ter respostas e confiando cada vez mais em Elisabet, contando-lhe seus segredos mais secretos. Mas, lendo uma carta escrita pela atriz, Alma descobre que é vista como um objeto de estudo. A relação entre as duas mulheres se torna tensa, mas ajudará ambas a lidarem com suas identidades e seus problemas psicológicos.

Local: Teatro. 14 anos. Grátis.

21/08. Terça, das 19h às 20h10.

Exibição: A Hora do Lobo (Vargtimmen)

(Dir. Ingmar Bergman, 1968, 90 min.)

O pintor Johan e sua esposa grávida, Alma, se retiram para uma ilha isolada. Johan é consumido por demônios do passado e por constantes alucinações. Alma tenta ajudá-lo a manter a sanidade e controlar sua obra. Mas durante a escuridão entre a noite e o amanhecer, a chamada "hora do lobo", os medos de Johan podem se concretizar... Tudo funciona à perfeição: a direção magistral de Bergman, a fotografia expressionista de Sven Nykvist e as atuações viscerais de Max von Sydow e Liv Ullmann.

Local: Oficina 3. Livre. Grátis.

28/08. Terça, das 19h às 20h30.

Quadro a Quadro

Filmes nacionais lançados recentemente e bate-papo com diretor.

Exibição e bate-papo: Arábia

(Dir. Affonso Uchoa, João Dumans, 2017, 97 min.)

Em Ouro Preto, Minas Gerais, um jovem (Murilo Caliari) encontra por acaso o diário de um operário metalúrgico que sofreu um acidente e por suas memórias embarca numa jornada pelas condições de vida de trabalhadores marginalizados.

Após a exibição haverá bate-papo com os diretores Affonso Uchoa e João Dumans.

Local: Sala de Espetáculos 2.

Não recomendado para menores de 16.

Grátis.

11/08. Sábado, das 19h às 22h.

Curso: Websérie: Construindo Novas Narrativas

com Renata Martins

O curso tem o objetivo de apresentar as técnicas para produção de roteiros para webséries, além de propor exercícios práticos para um projeto.

Renata Martins é cineasta formada pela Universidade Anhembi Morumbi e Pós Graduada em linguagens da arte pela USP. Foi roteirista da série Malhação - Viva a diferença, da TV Globo, em 2017. Diretora do curta metragem "Aquém das nuvens" e uma das idealizadoras da websérie "Empoderadas", disponível no youtube e Facebook.

Local: Espaço de Tecnologias e Artes.

Não recomendado para menores de 16.

Grátis.

11 a 19/08. Sábados e domingos, das 10h30 às 13h30.

Criança

Filminho

Exibição de filmes infantis para divertir pais e filhos.

Exibição: Dumbo

(Dir. Bem Shapsteen, Norman Ferguson, dentre outros, 1941, 124 min.)

Quando a cegonha chega, igual a todos os anos, para entregar os bebês às suas mães no circo, a senhora Jumbo se depara com uma surpresa: seu pequeno Jumbo Jr. tem orelha grandes demais para um elefante recém nascido. Logo que os outros animais o veem, começam a zombar dele, o que leva a mamãe elefanta à ira, e os domadores do circo decidem confiná-la. Ridicularizado e sozinho, Jumbo Jr. ganha o apelido de Dumbo (estúpido em inglês) e com a ajuda de um amigável ratinho, ele descobre que graças às suas enormes orelhas pode voar.

Local: Oficina 3. Livre. Grátis.

12/08. Domingo, das 17h às 18h10.

Exibição: Bambi

(Dir. David Hand, James Algar, dentre outros, 1942, 130 min.)

Numa floresta os animais ficam agitados com o nascimento de um filhote de cervo, Bambi, que foi chamado de "Príncipe da Floresta", pois seu pai é o cervo mais respeitado da região. Bambi cresce, faz amizade com outros animais da floresta, aprende como sobreviver e descobre o amor. Um dia chegam caçadores e ele precisa aprender como ser tão corajoso como seu pai, para saber como conduzir outros cervos para um lugar seguro.

Local: Oficina 3. Livre. Grátis.

19/08. Domingo, das 17h às 18h10.

Exibição: Pinóquio (Pinocchio)

(Dir. Norman Ferguson, Bem Sharpsteen, dentre outros, 1940, 88 min.)

Gepeto é um carpinteiro solitário que, um dia, resolve fazer um boneco de madeira para lhe fazer companhia. Durante a noite, a Fada Azul dá vida ao boneco, que passa a se chamar Pinóquio. Ansioso para se tornar um menino de verdade, Pinóquio se mete em várias confusões, apesar dos constantes avisos de seu amigo Grilo Falante. O boneco tem uma particularidade: sempre que mente seu nariz cresce.

Local: Oficina 3. Livre. Grátis.

26/08. Domingo, das 17h às 18h30.

Serviço

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento: Para espetáculos com venda de ingressos após as 17h: R$ 15,00 (não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).

Pequena Sereia

Curso: Introdução ao Cinema Independente e Produção de Curta-metragem

Com Evandro Souza

O curso tem como objetivo apresentar formas variadas de produção, fazendo um panorama geral da produção cinematográfica brasileira e independente. Além, é claro, de produzir um curta-metragem criado pelos participantes desde a concepção do roteiro, dando a oportunidade para que todos conheçam e pratiquem de forma rotativa cada etapa da produção.

Evandro Souza é graduado em Produção Audiovisual. Entre os trabalhos, destacam-se o videoarte "Corpo Avulso", semifinalista do Global Short Film Awards, em NY, e exibido em outros cinco festivais internacionais; o documentário "Sobre os Trilhos da História", exibido em quatro eventos em Istambul, na Turquia, entre outros; e os curtas-metragens "Móvito" e "Espectro". Esse último, uma co-produção entre Brasil, Estados Unidos e Irlanda. Atualmente, trabalha no documentário "Rugas de Vida", contemplado pelo Programa de Estímulo à Cultura de Bauru.

Local: Espaço de Tecnologias e Artes.
Não recomendado para menores de 14. Grátis.
16/01 a 06/02. Quartas, das 19h às 22h.

Cinema e Vídeo

Cine Praia - Exibições ao ar livre no clima do verão

Exibição: Lilo & Stich
(Dir. Dean DeBlois, Chris Sanders, 2002, 1h25 min)

Lilo é uma pequena garota havaiana de 5 anos que adora cuidar de animais menos favorecidos e vive com sua irmã Nani. Lilo tem o costume de coletar lixo reciclável nas praias para, com o dinheiro recebido, comprar comida para peixes e nadar até o alto-mar para alimentá-los. Até que, num belo dia, ela encontra um cachorro e decide adotá-lo. Entretanto, este cachorro na verdade é Stitch, um ser alienígena que é um dos criminosos mais perigosos da galáxia. Stitch foi preso em um planeta distante pela polícia interplanetária, mas ao ser encaminhado para um planeta-prisão consegue escapar, caindo acidentalmente na Terra. Agora, para escapar da polícia que ainda o persegue, Stitch esconde quatro de suas seis pernas e decide se fazer passar por um cachorro comum, desenvolvendo com o tempo um laço de amizade com Lilo.

Local: Área externa - Uriel Gaspar. Livre. Grátis.
17/01. Quinta, das 19h30 às 21h.

Exibição: Teen Beach Movie
(Dir. Jeffrey Hornaday, 2013, 1h50min)

Brady e Mack são dois jovens surfistas que, após serem encobertos por uma onda, vão parar em uma praia distante, cenário do musical favorito de Brady: "Onda, Sublime Onda" (1960). Agora o casal terá que descobrir como voltar ao seu tempo, mas não sem antes modificar o curso original da história.

Local: Área externa - Uriel Gaspar. Livre. Grátis.
18/01. Sexta, das 19h30 às 21h.

Exibição: Tá Dando Onda
(Dir. Ash Brannon, Chris Buck, 2007, 1h28min)

Cadu Maverick é um jovem pinguim, que tem o lendário surfista Big Z como ídolo. Um dia ele decide deixar sua família e sua cidade, Shiverpool, na Antártida, para participar do Big Z Memorial Surf Off, um torneio de surf realizado na ilha Pen-Gu. Cadu acredita que caso vença o torneio ganhará respeito e admiração, seu grande sonho. Mas lá ele conhece um veterano surfista chamado Grego, com quem aprende que o campeão nem sempre é aquele que chega em 1º lugar nas competições.

Local: Área externa - Uriel Gaspar. Livre. Grátis
19/01. Sábado, das 19h30 às 21h.

Exibição: Pequena Sereia
(Dir. John Musker, Ron Clements, 1989, 1h23min)

Ariel é a filha caçula do Rei Tritão, comandante dos sete mares, que está insatisfeita com sua vida. Ela deseja caminhar entre os humanos para conhecê-los melhor, mas sempre é proibida por seu pai, que considera os humanos como sendo "bárbaros comedores de peixe". Até que ela se apaixona por um jovem príncipe e, no intuito de conhecê-lo, resolve firmar um pacto com Úrsula, a bruxa do reino, que faz com que ela ganhe pernas e se torne uma verdadeira humana. Porém, Úrsula também tem seus planos e eles incluem a conquista do reino de Tritão.

Local: Área externa - Uriel Gaspar. Livre. Grátis.
24/01. Quinta, das 19h30 às 21h.

Exibição: As Férias do Pequeno Nicolau
(Dir. Laurent Tirard, 2014, 1h37min)

Termina o ano letivo. Nicolau, seus pais e a avó viajam para o litoral com o objetivo de aproveitar ao máximo o verão. Na praia o menino faz novos amigos e conhece uma garota, Isabelle, que ele acredita ser sua futura esposa.

Local: Área externa - Uriel Gaspar. Livre. Grátis.
26/01. Sábado, das 19h30 às 21h.

Exibição: Procurando Nemo
(Dir. Andrew Stanton, Lee Unkrich, 2003, 1h41 min)

O passado reserva tristes memórias para Marlin nos recifes de coral, onde perdeu sua esposa e toda a ninhada. Agora, ele cria seu único filho Nemo com todo o cuidado do mundo, mas o pequeno e simpático peixe-palhaço acaba exagerando durante uma simples discussão e acaba sendo capturado por um mergulhador. Agora, o pai super protetor precisa entrar em ação e parte numa busca incansável pelo mar aberto, na esperança de encontrar seu amado filhote. No meio do caminho, ele acaba conhecendo Dory e, juntos, a dupla vai viver uma incrível aventura. Enquanto isso, Nemo também vive uma intensa experiência ao lado de seus novos amigos habitantes de um aquário, pois eles precisam ajudá-lo a escapar do destino que lhe foi reservado: ir parar nas mãos da terrível Darla, sobrinha do dentista que o capturou.

Local: Área externa - Uriel Gaspar. Livre. Grátis.
31/01. Quinta, das 19h30 às 21h.

Serviço

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho

Alice in Wonderland

Adulto

O Lobo à Espreita – Uma Homenagem ao Centenário de Ingmar Bergman

A mostra traz um recorte da obra do cineasta sueco, apresentando desde suas obras clássicas até os títulos menos conhecidos.

Exibição: Vergonha (Skammen)

(Dir. Ingmar Bergman, 1968, 103 min.)

Em meio a uma guerra civil na região báltica, um casal de violinistas que se dizem apolíticos vivem isolados em uma ilha, onde se sustentam com o cultivo e a venda de produtos da terra. Essa vida alienada acaba quando um grupo de soldados invade a ilha. A partir desse momento, eles não poderão ficar mais alheios a tudo que acontece e terão que lidar com as misérias, a destruição e os horrores da guerra.

Local: Teatro. 16 anos. Grátis.

04/09. Terça, das 19h às 20h40.

Exibição: Face a Face (Ansikte mot ansikte)

(Dir. Ingmar Bergman, 1976, 114 min.)

A doutora Jenny Isaksson (Liv Ullmann) é uma psiquiatra casada. Ambos são bem-sucedidos em seus empregos, mas, lenta e dolorosamente, ela passa a ser assombrada por imagens e emoções de seu passado, que a leva a uma depressão profunda.

Local: Teatro. 16 anos. Grátis.

11/09. Terça, das 19h às 21h.

Exibição: Sonata de Outono (Höstsonaten)

(Dir. Ingmar Bergman, 1978, 99 min.)

Após ter sido uma mãe ausente por anos, Charlotte (Ingrid Bergman), uma renomada pianista, vai até a casa de sua filha Eva (Liv Ullmann) para lhe fazer uma visita. Ela se surpreende ao encontrar sua outra filha, Helena (Lena Nyman), que tem problemas mentais. Eva tirou Helena da instituição que Charlotte a havia internado para cuidar dela em casa. A tensão entre mãe e filha começa a crescer devagar até elas colocarem tudo em panos limpos, dizendo tudo que sempre gostariam de dizer.

Local: Teatro. 14 anos. Grátis.

18/09. Terça, das 19h às 20h30.

Exibição: Fanny e Alexander (Fanny och Alexander)

(Dir. Ingmar Bergman, 1982, 188 min.)

O garoto Alexander (Bertil Guve) e sua irmã Fanny (Pernilla Allwin) são membros de uma poderosa família de artistas liberais do início do século 20. Depois da morte do pai, vão morar com o padrasto onde são criados em meio ao rígido puritanismo luterano do bispo Vergerus (Jan Malmsjö). Primeiro filme autobiográfico do diretor Ingmar Bergman. Vencedor de quatro Oscars, incluindo melhor filme estrangeiro e melhor fotografia, em 1984.

Local: Teatro. 14 anos. Grátis.

25/09. Terça, das 19h às 21h30.

Quadro a Quadro

Filmes nacionais lançados recentemente e bate-papo com diretor.

Exibição e bate-papo: Paraíso Perdido

(Dir. Monique Gardenberg, 2017, 110 min.)

Paraíso Perdido é um clube noturno gerenciado por José (Erasmo Carlos) e movimentado por apresentações musicais de seus herdeiros. O policial Odair (Lee Taylor) se aproxima da família ao ser contratado para fazer a segurança do jovem talento Ímã (Jaloo), neto de José e alvo frequente de homofóbicos, e aos poucos o laço entre o agente e o clã de artistas românticos vai se revelando mais e mais forte - com nós surpreendentes.

No fim da exibição haverá bate papo com a diretora Monique Gardenberg.

Local: Sala de Espetáculos 2. 16 anos. Grátis.

15/09. Sábado, das 19h às 22h.

Curso: O Feminino no Cinema da América Latina

com Daniela Gillone

O curso parte da análise das cinematografias clássica e moderna da América Latina, com ênfase nos estudos das representações do feminino no cinema revolucionário e militante do Nuevo Cine Latinoamericano e nos conceitos presentes nos atuais debates sobre as realizações contemporâneas, que oferecem uma perspectiva crítica da realidade social.  As teorias do cinema e a análise dos filmes integram a discussão sobre o lugar político das mulheres nesse cinema. Os enquadramentos dados à Revolução Mexicana, ao Cangaço, às ditaduras militares, entre outros acontecimentos, do passado e presente, serão vistos ao lado da caracterização do feminino que simboliza as nações e identidades latino-americanas, reconhecidas nas obras a serem analisadas.

Daniela Gillone é professora e pesquisadora de cinema, com pós-doutorado pelo Departamento de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Coordenou cursos de extensão universitária promovidos pelo Centro Brasileiro de Estudos da América Latina (CBEAL - Memorial da América Latina) e cursos livres pelo Museu da Imagem e do Som (MIS - São Paulo). Ministrou o projeto Click da Caixa e coordenou o TV Vila - ambos oficinas de fotografia e de produções audiovisuais com jovens das classes populares, financiados pela Caixa Econômica Federal em parceria com a Secretaria de Educação de Ribeirão Preto/SP, entre 1997 e 2005. É pesquisadora do grupo de estudos Cinema Latino-americano e vanguardas artísticas, vinculado a UNIFESP e ao CNPq.

Local: Espaço de Tecnologias e Artes. 16 anos. Grátis.

15/09 a 06/10. Sábados, das 10h30 às 13h30.

Infantil

Filminho: Exibição de filmes infantis para divertir pais e filhos.

 

Exibição: Branca de Neve

(Dir. David Hand, 1938, 1h23min.)

Uma rainha má e bela resolve, por inveja e vaidade, mandar matar sua enteada, Branca de Neve, a mais linda de todo o reino. Mas o carrasco que deveria assassiná-la a deixa partir e, durante sua fuga pela floresta, ela encontra a cabana dos sete anões, que trabalham em uma mina e passam a protegê-la. Algum tempo depois, quando descobre que Branca de Neve continua viva, a Bruxa Má disfarça-se e vai atrás da moça com uma maçã envenenada, que faz com que Branca de Neve caia em um sono profundo até o dia em que um beijo do amor verdadeiro a faça despertar.

Local: Oficina 3.

Livre. Grátis.

02/09. Domingo, das 17h às 18h40.

Exibição: Cinderela

(Dir. Wilfred Jackson, Hamilton Luske, Clyde Geronimi, 1950, 1h15min.)

Cinderela vive com sua madrasta, Lady Tremaine, e as duas filhas dela. Obrigada a trabalhar como empregada da casa, ela tem como amigos apenas os animais que a rodeiam. O local em que vive está agitado devido ao baile que será realizado no castelo, o qual contará com a presença do príncipe. Como Lady Tremaine pretende que uma das filhas se case com ele, elas se preparam com requinte para o evento. Cinderela, entretanto, não pode ir. Até que surge a Fada-madrinha, que dá a Cinderela um vestido e condições para que possa ir ao baile em alto estilo. Entretanto há uma condição: Cinderela precisa retornar antes da meia-noite, caso contrário o feitiço será desfeito.

Local: Oficina 3.

Livre. Grátis.

09/09. Domingo, das 17h às 18h40.

Exibição: Alice no País das Maravilhas

(Dir. Wilfred Jackson, Hamilton Luske, Clyde Geronimi, 1951, 1h15min.)

Alice é uma garota curiosa e cansada da monotonia de sua vida. Um dia, ao seguir o apressado Coelho Branco, ela entra no País das Maravilhas. Lá ela conhece diversos seres incríveis, como o Chapeleiro Louco, o Mestre Gato, a Lagarta e a Rainha de Copas.

Local: Oficina 3.

Livre. Grátis.

16/09. Domingo, das 17h às 18h40.

Exibição: Peter Pan

(Dir. Wilfred Jackson, Hamilton Luske, Clyde Geronimi, 1953, 1h16min.)

Londres. Peter Pan, o garoto que se recusa a crescer, espreita a casa dos Darling, pois Wendy, a mais velha dos filhos do casal Darling, crê que ele exista e já convenceu seus irmãos, João e Miguel. Wendy tem certeza disto, pois Peter Pan perdeu sua sombra. Aproveitando a ausência dos pais de Wendy, ele vai até a casa dela. Após recuperar sua sombra, Peter Pan ensina a Wendy, João e Miguel o que devem fazer para voar: pensar em algo bom e usar um um pó mágico, que uma pequena fada, Sininho, joga sobre eles. Peter leva as três crianças para um passeio na Terra do Nunca, um ilha encantada que é o lar de Peter, Sininho, os Garotos Perdidos e um maquiavélico pirata, o Capitão Gancho, que jurou se vingar de Peter. Gancho perdeu uma de suas mãos em um duelo com Peter Pan, com ela tendo sido comida por um crocodilo que agora segue sempre o navio do Capitão Gancho, pois quer comer o resto. Tudo realmente se complica quando Sininho fica com muito ciúme de Wendy e quer prejudicá-la.

Local: Oficina II.

Livre. Grátis.

23/09. Domingo, das 17h às 18h40.

Exibição: Mogli – O Menino Lobo

(Dir. Wolfgang Reitherman, 1967, 1h18min.)

Mogli é um menino que foi criado pelo lobos na floresta. Por conta da ameaçadora presença do tigre Shere Kahn, seus amigos resolvem mandá-lo para uma tribo humana. Acompanhado da pantera Baguera e do urso Balú, Mogli inicia uma longa jornada rumo à civilização.

Local: Oficina 3.

Livre. Grátis.

30/09. Domingo, das 17h às 18h40.

Serviço

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento: Para espetáculos com venda de ingressos após as 17h: R$ 15,00 (não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).

Cartaz de divulgação da mostra Cinema e Antropologia

Entre 7 e 30 de maio, evento exibe 20 filmes e palestras com professora da USP e da Columbia University

O Cinema da USP (Cinusp) Paulo Emílio realiza, de 7 a 30 de maio, a mostra Cinema e Antropologia, uma seleção de filmes que se utilizaram da antropologia, durante os últimos 120 anos da história do cinema, como forma de analisar as relações que os indivíduos estabelecem com as culturas e os meios aos quais estão inseridos.

Dentre os 20 filmes selecionados pela curadoria — feita pelo Cinusp em parceria com Richard Peña, professor da Columbia University — destaca-se Nanook, o Esquimó (Nanook of the North, 1992), de Robert J. Flaherty, primeiro documentário antropológico de longa-metragem que retrata a vida de Inuk Nanook, um esquimó do ártico canadense que luta diariamente pela sobrevivência de sua família, habitantes de um ambiente isolado e hostil à vida humana.

nanookMostra traz ao público as várias abordagens antropológicas utilizadas por diretores em 120 anos de história do cinema – Foto: Divulgação / Cinusp

Outro destaque vai para a parceria entre os sociólogos Edgar Morin e Jean Rouch na direção de Crônica de um Verão (Chronique d’un Èté, 1961), obra inovadora por trazer ao espectador um método de análise antropológica que constrói o filme através de entrevistas com personagens, afastando o diretor de julgamentos ou análises baseadas em uma cultura diferente das dos indivíduos retratados.

Essa colaboração entre Morin e Rouch tiveram influência direta nos trabalhos de cineastas como Eduardo Coutinho, também parte da programação da mostra. Em Babilônia 2000 (idem, 2001), Coutinho utiliza-se de cinco equipes de filmagens para acompanhar os moradores de duas favelas do Morro da Babilônia (Rio de Janeiro, RJ) em seus preparativos para a festa de Réveillon do ano 2000, registrando as expectativas dos moradores para o novo ano que viria. Babilônia 2000 é uma das obras que melhor sintetiza um dos princípios da escola conhecida como Cinema Verdade: conduzir sem intervir.

Palestras

Foram incluídas, dentro da programação da mostra, as palestras da disciplina “Cinema e Antropologia”, do Programa de Pós-graduação em Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, ministrada por Peña e a professora Patrícia Moran, da ECA.

BabiloniaPersonagens do documentário Babilônia 2000, de Eduardo Coutinho, uma das obras selecionadas para a mostra Cinema e Antropologia – Foto: Divulgação / Cinusp

 Abertas ao público e sem necessidade de inscrição prévia, as palestras acontecerão logo após 8 das 36 sessões da mostra, que por sua vez serão precedidas de aulas que se iniciam às 18h30. Já os alunos de pós-graduação da USP poderão se inscrever na disciplina, com direito a créditos, controle de frequência e avaliação, através do sistema Janus, podendo solicitar informações pelo e-mail This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it..

A mostra Cinema e Antropologia acontece de segunda a sexta-feira, às 16 e às 19 horas, no Cinusp, localizado na Rua do Anfiteatro, 181, Colmeias, favo 4, na Cidade Universitária, em São Paulo. A entrada é gratuita. Mais informações podem ser obtidas na página do Cinusp (www.usp.br/cinusp).

Vinicius Crevilari
Jornal Da USP