Crise dos refugiados

A saída britânica da União Europeia, a crise dos refugiados e o terrorismo estão entre os temas da discussão

Em junho deste ano, 51,9% dos britânicos decidiram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia (UE). O processo, conduzido pela nova premiê Theresa May, só se iniciará em 2017, mas já provoca dúvidas sobre a coesão do bloco europeu e causa impactos na economia regional e mundial. Segundo a primeira previsão do Fundo Monetário Internacional (FMI) após o Brexit, a economia europeia crescerá 1,4% em 2017 ― 0,2% a menos em relação à expectativa pré-Brexit ―, enquanto o PIB global crescerá 3,4% no próximo ano ― 0,1% a menos do que se esperava antes da saída britânica do bloco.

Para a professora visitante Brigitte Weiffen, da Cátedra Martius de Estudos Alemães e Europeus do Departamento de Ciência Política da USP, o Brexit é reflexo da inabilidade da UE em enfrentar as crises dos últimos anos. “A União Europeia teve problemas em gerenciar as crises dos anos passados. Já houve muito debate e enfrentamento sobre os temas financeiros, provocando uma discussão, de ‘quem faz mais, quem faz menos, quem deveria fazer mais’”, explica. 

Segundo a docente, a ausência de resolução da crise financeira eclodida em 2009 ― que afetou países como a Grécia, a Irlanda, a Espanha e Portugal, mas que ressoou em todo o bloco europeu ― influencia também nas duas mais recentes crises europeias. “Se a situação econômica estivesse boa, seria mais fácil lidar com a crise dos refugiados, por exemplo, ou com essas questões do terrorismo”, aponta Brigitte.

A enorme quantidade de sírios, líbios e pessoas de diversas outras nacionalidades chegando ao continente europeu tem provocado a ascensão de partidos de extrema direita. Segundo a professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, esses partidos populistas se apoiam na generalização dos refugiados ― em sua maioria de origem muçulmana ― como terroristas. Com a chegada desses grupos ao poder em países como a Polônia e a Hungria, a crise dos refugiados tem se aprofundado

Para o professor visitante do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD, na sigla em alemão) na Faculdade de Direito (FD) da USP, Sven Korzilius, “a questão dos refugiados é um dos grandes testes para a Europa, (no sentido de verificar) a solidez da tradição de proteção de direitos humanos”. Citando o filósofo prussiano Immanuel Kant, o docente afirma que “a maneira pela qual nós tratamos os refugiados, caracteriza o nosso verdadeiro humanismo”.

Korzilius e Brigitte são coorganizadores das Oitavas Jornadas Europeias. O evento, entre os dias 19 e 21 de setembro, na FD, tem como tema a “Europa em tempos de crise”. Segundo ambos, as jornadas têm como objetivo reunir os pesquisadores sobre a Europa no Brasil, fortalecendo as redes e evitando que os estudiosos do continente europeu fiquem isolados em seus institutos. Além disso, a possibilidade de analisar os problemas de ambos os continentes em perspectiva comparada pode trazer à tona soluções em comum. “É uma perspectiva interessante, olhar para essas diferenças e semelhanças das crises e olhar também se tem soluções que foram usadas na Europa ou na América Latina que podem ser aplicadas na ótica da outra região”, explica Brigitte.

Rafael Oliveira
Jornal da USP

Pin It