Sociedade

indígenas

Qual é exatamente o território tradicional reivindicado para titulação pelos quilombolas? Quais são as demandas de saneamento dos indígenas? E quais são as aspirações dos caiçaras em relação ao acesso à educação? Estas são apenas algumas das informações que serão reveladas pelo Projeto Povos, iniciativa que vai colocar de vez, no mapa do Brasil, os territórios, identidades e tradições de 64 comunidades tradicionais indígenas, caiçaras e quilombolas de Angra dos Reis (RJ), Paraty (RJ) e Ubatuba (SP).

Reivindicação histórica do Fórum de Comunidades Tradicionais (FCT), a realização do Projeto Povos é uma medida de mitigação exigida pelo Ibama, no âmbito do licenciamento ambiental federal, da atividade de produção de petróleo e gás da Petrobras no

Radis

Em meio às revisões das políticas de saúde mental e de drogas, a repórter da Radis, Ana Cláudia Peres, foi conhecer um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas no Rio de Janeiro, onde a liberdade é parte da terapia. A repórter conta que o imóvel, de muro vazado e vista para a Igreja da Penha, no Rio de Janeiro, bem pode ser definido como um local de acolhida, mas também chamado Centro de Atenção Psicossocial (Caps). “A sigla passou a fazer parte do vocabulário dos brasileiros há pelo menos trinta anos, quando o movimento da Reforma Psiquiátrica propôs um novo olhar sobre a loucura — o que significava, entre outras iniciativas, substituir as velhas

Reciis

As comemorações podem ser um meio de consolidar ou defender uma diferença por lembrar ações e grupos comprometidos com a defesa dos direitos políticos, sociais e civis. Esta questão atravessa o dossiê 40 anos do Movimento LGBT no Brasil: comunicação, saúde e direitos humanos que compõe a edição v.13, n.2 da Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde (Reciis). O periódico é editado pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Icict/Fiocruz). 

Os artigos originais do dossiê partem de uma compreensão comum em relação às tecnologias de comunicação e informação: os dispositivos midiáticos são lugares nos quais é possível discutir liberdade de expressão e possibilidades de visibilidade/invisibilidade.

Casa da Criança Lar São José

Ação arrecadará agasalhos e cobertores que serão doados à Casa da Criança Lar São José

Até 26 de junho, o Shopping Grande Rio, da Aliansce Shopping Centers, promove uma ação ligada ao empreendedorismo social em apoio ao Instituto da Criança. A iniciativa vai arrecadar agasalhos e cobertores para o inverno.

As doações serão destinadas à Casa da Criança Lar São José, cadastrada no Instituto da Criança e localizada em São João de Meriti, na Rua Virgílio de Azambuja Monteiro, 115. A instituição é uma organização sem fins lucrativos, mantida pelas filhas da caridade de São Vicente de Paulo, que oferece atendimento educacional e assistencial, totalmente gratuito, às crianças carentes em idade de creche e pré-escola.

redes sociais

O quarto episódio de 2019 do programa Ciência Aberta, que será lançado no dia 12 de junho, discute a tendência do uso das mídias sociais digitais para a educação científica.

Youtubers e podcasters que se dedicam à divulgação de ciência e tecnologia já têm hoje, no Brasil, centenas de milhares ou até milhões de seguidores. E outras mídias, como Twitter, Instagram e Facebook, também têm sido utilizadas com sucesso nesse tipo de divulgação.

Para debater o tema, participam do episódio Redes sociais e novas formas de comunicar ciência:

Germana Fernandes Barata, professora e pesquisadora do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e ex-editora das revistas Ciência & Cultura

Cecília Minayo

Mais de 60% dos casos de violência contra idosos ocorrem nos lares. Este contexto não se refere só ao Brasil, e sim internacionalmente, segundo dados apresentados pela pesquisadora emérita da Fiocruz Cecília Minayo, durante palestra realizada em Brasília e intitulada Violências contra a pessoa idosa e estratégias para reduzi-las.

“Dois terços dos agressores são filhos, que agridem  mais que filhas, noras ou genros e cônjuges, nesta ordem. Os idosos quase não denunciam, por medo e para protegerem os familiares”, diz. De acordo com Minayo, normalmente os agressores vivem na casa com a vítima, são filhos dependentes do idoso e idoso dependente dos familiares, filhos ou idosos que abusam de álcool e drogas, pertencem a famílias pouco afetivas

programa Ciência Aberta

Canais no YouTube dedicados à educação científica e tecnológica já aglutinam no Brasil comunidades com milhares de participantes. Podcasts sobre temas de ciência e tecnologia são mídias em forte ascensão. E até perfis no Facebook e no Instagram, cujas arquiteturas parecem menos adequadas para esse tipo de atividade, têm sido utilizados com sucesso por educadores da área.

Como coadjuvantes da educação formal, em sala de aula, as redes sociais podem ser fundamentais para a popularização do conhecimento científico no país. Foi o que concluíram os participantes do quarto episódio do programa Ciência Aberta de 2019, lançado nesta quarta-feira (12/06).

Participaram dos debates Germana Fernandes Barata, professora no Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da

Maria Cecília Minayo

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) concedeu (15/5) Menções Especiais de Agradecimento a diversas a pessoas e instituições com significativos serviços prestados à instituição. Entre os homenageados, estava Maria Cecília Minayo, pesquisadora titular da Fiocruz, coordenadora científica do Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli (Claves) e detentora de vários prêmios, dentre eles, a Medalha de Mérito da Saúde Oswaldo Cruz do Ministério da Saúde (2009) e o Prêmio de Direitos Humanos (2014) conferido pela Presidência da República. (foto: Peter Ilicciev)

Cecília Minayo, é editora chefe da Revista Ciência & Saúde Coletiva da Abrasco, e membro do conselho editorial de 14 revistas científicas nacionais e estrangeiras. Seu livro Novas

envelhecimento saudável

A FAPESP e a Organização Holandesa para a Pesquisa Científica (NWO) lançaram uma nova chamada de propostas para seleção e financiamento de pesquisas colaborativas.

“Envelhecimento Saudável” é o tema da chamada, que tem por objetivos compreender as determinantes biológicas da heterogeneidade no processo de envelhecimento, desenvolver instrumentos para possibilitar a estratificação de grupos-alvo e permitir a elaboração de estratégias de prevenção personalizada e de tratamentos otimizados, bem como maximizar a capacidade funcional, a independência e a qualidade de vida dos idosos.

Propostas devem ser escritas em conjunto por pesquisadores associados a instituições de ensino superior ou de pesquisa no Estado de São Paulo e, na Holanda, por pesquisadores de universidades ou institutos de pesquisas holandeses

revista Radis

A reportagem da revista Radis acompanhou o movimento de mulheres, associação de moradores e usuários de uma reserva amazônica. Longas distâncias, difícil acesso aos serviços de comunicação, invasões de terras e atendimento à saúde precário são algumas das queixas deles. De 21 e 24 de março ocorreram a 27ª Assembleia Geral da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (RDSM) e o 13º Encontro do Movimento de Mulheres Japiim (MMJ), que reúnem, anualmente, representantes dos diferentes setores ligados à RDSM — considerada a maior reserva florestal do Brasil dedicada exclusivamente à proteção da várzea amazônica —, numa área de conservação que se distribui sobre os municípios de Alvarães, Fonte Boa, Japurá, Jutaí, Maraã, Tonantins e Uarini, e onde

adolescentes

O Brasil é referência mundial na redução do tabagismo. Em compensação, o alcoolismo, especialmente entre adolescentes, continua um problema sem solução.

“Estamos a anos-luz de distância do que poderia ser feito aqui e também do que tem sido feito nos países desenvolvidos com base em evidências científicas”, disse Zila Sanchez, professora do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina (EPM), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e ex-consultora da Organização das Nações Unidas (ONU) para políticas de drogas no Estado de São Paulo.

Ela participou do seminário “Álcool, Drogas e Adolescência”, realizado no contexto do Ciclo ILP-FAPESP de Ciência e Inovação, no dia 27 de maio. Os eventos da série ocorrem uma