Ciencia Saude Coletiva

Já são mais de 26 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos no Brasil, o que corresponde a 13% da população. Para lidar com esse contingente crescente, o Brasil modernizou sua legislação e seus planos nacionais, de forma a incorporar as disposições previstas no Plano de Ação Internacional sobre o Envelhecimento, proposto no encontro em Madri de 2002, o qual busca assegurar que a estrutura institucional do país aborde as necessidades dos cidadãos idosos na perspectiva dos direitos humanos. Desses 26 milhões, a grande maioria é saudável, está ativa e em plena capacidade funcional. Inclusive, muitos mantêm suas famílias ou contribuem para tanto. Mas uma parte expressiva dos idosos brasileiros possui alguma ou múltiplas dependências físicas, mentais e sociais. Essas pessoas são as mais vulneráveis a doenças, violências, negligências e abandono.

É particularmente sobre esse grupo que o volume 21, número 11, da revista Ciência e Saúde Coletiva se debruça, analisando suas fragilidades ao HIV/Aids, doenças renais, complicações metabólicas, baixa qualidade da dieta, obesidade, uso inapropriado de medicamentos dentre vários outros assuntos. A edição traz, também, a resenha de um livro sobre a quarta idade, ou seja, sobre a população acima de 80 anos, grupo etário que mais cresce hoje no país. Escrita por geriatras, gerontólogos e pesquisadores, o número temático é de grande interesse para os profissionais de saúde, familiares e cuidadores.

Acesse aqui todos os artigos do volume 21, número 11 da revista.

Informe Ensp

Pin It