revista científica Trabalho, Educação e Saúde

Já está online a primeira edição de 2020 da revista científica Trabalho, Educação e Saúde (vol. 18, número 1), editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz). A pergunta que fazemos neste texto (Até quando adotaremos classificações que pouco contribuem para avaliar a qualidade da produção de conhecimento no Brasil?), é o arremate do editorial Contribuições ao debate sobre a avaliação da produção científica no Brasil, assinado pelas sete revistas científicas da Fiocruz. Nele, questiona-se a decisão da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) de estabelecer novos critérios para classificar revistas científicas no Qualis Periódicos. A metodologia propõe uma única clas¬sificação de referência para os periódicos, o Qualis Único, com base no uso combinado dos indicadores bibliométricos CiteScore (Scopus), Fator de Impacto (Web of Science) e h5 (Google Scholar), o que pode gerar “resultados desastrosos a periódicos já consolidados em suas áreas de atuação”.

Apesar de reconhecer o papel fundamental da Capes na avaliação de periódicos, o texto critica o "uso de indicadores bibliométricos, construídos para finalidades não relacionadas à avaliação da qualidade da produção científica" e a falta de "maior transparência e participação da comunidade acadêmica envolvida". O editorial propõe uma revisitação à San Francisco Declaration on Research Assessment (Dora), que apregoa o fim da utilização do fator de impacto para avaliação de pesquisa científica, e ao Manifesto de Leiden, que apresenta dez princípios para o uso adequado de métricas em avaliação da ciência. E salienta que "um único critério para avaliação de periódicos científicos é questionável, considerando as profundas diferenças entre as áreas acadêmicas na produção e divulgação do conhecimento, o que gera resultados desastrosos a periódicos já consolidados em suas áreas de atuação".

A revista traz ainda o ensaio Paulo Freire e o inédito viável: esperança, utopia e transformação na saúde, de César Augusto Paro, Miriam Ventura e Neide E. Kurokawa e Silva, sobre o constructo "inédito viável", de Paulo Freire, com o objetivo de explorar suas potencialidades na saúde coletiva. De acordo com os autores, “a emergência dos inéditos viáveis resulta de complexo processo pedagógico, que vai do estranhamento da realidade à percepção crítica dos sujeitos envolvidos, a qual propicia a construção dos inéditos viáveis, como etapa que antecede a ação.” Eles propõem em sua conclusão “uma pedagogia aplicada à saúde coletiva que incorpore o ‘inédito viável’ como possibilidade de transcender o adestramento técnico, baseado, exclusivamente, em conteúdos informativos, investindo, também, nas capacidades de indignação e denúncia e na construção de projetos coletivos”.

Na seção Artigos, destaca-se o manuscrito Necessidades e reivindicações de homens trabalhadores rurais frente à atenção primária à saúde, de Sérgio Vinícius Cardoso de Miranda e colaboradores, no qual descrevem uma pesquisa que mobilizou 41 entrevistas em profundidade, registros em diário de campo e coleta de dados secundários, com o objetivo de “compreender as principais necessidades e reivindicações de homens trabalhadores rurais frente a uma equipe de Atenção Primária à Saúde”, em município de Minas Gerais. O estudo qualitativo permitiu uma discussão sobre a invisibilidade dos trabalhadores rurais na procura e acesso aos serviços de saúde e a valorização do modelo assistencial curativista.

Em Docência na educação infantil: neoliberalismo, desumanização e adoecimento na república inacabada brasileira, artigo de autoria de Wagner Eduardo Estácio de Paula e Rita de Cássia Gabrielli Souza Lima, analisa-se a percepção de professores de educação infantil sobre a produção de dignidade pelo trabalho, no contexto da categoria teorética ‘repúblicas inacabadas’. Os autores constataram que essa produção é atravessada “Por uma forma de solidão que aparece quando, no cotidiano do trabalho, o ser professor de pequenos sente-se invisível, pouco ouvido pelas instituições envolvidas com seu trabalho, cabendo citar: unidade-gestão escolar, família, poder público municipal, colegas, secretarias e governo”. Em conclusão, os autores criticam “um mundo de ideologia neoliberal” e o “agravamento das desigualdades sociais”, propondo “o reconhecimento e o estímulo ao trabalho coletivo como ferramentas de transformação”.

No artigo Acesso à saúde pela população trans no Brasil: nas entrelinhas da revisão integrativa, Pablo Cardozo Rocon e colaboradores construíram um mapeamento da produção científica sobre o acesso à saúde pela população transexual pós-2008, ano que foi um marco para a saúde trans no Brasil, quando foi criado o Processo Transexualizador do Sistema Único de Saúde (SUS). Os autores realizaram uma revisão integrativa da literatura a respeito do tema, na qual utilizaram as bases Medline, Lilacs e SciELO. Em suas considerações finais, constataram inúmeros desafios para o acesso da população trans ao SUS, entre eles: a discriminação nos serviços e equipamentos de saúde; a patologização da transexualidade; o acolhimento inadequado; a exigência de cirurgia; a falta qualificação dos profissionais; a ausência de política de atenção básica e inexistência de rede de saúde; e a escassez de recursos para o financiamento dos processos transexualizadores e de políticas de promoção da equidade e respeito às identidades de gênero trans.

Trabalho, Educação e Saúde (vol. 18, número 1), apresenta ainda manuscritos com os seguintes temas: saúde mental, segurança do paciente na atenção primária em saúde e estresse ocupacional na mídia impressa. Duas resenhas de livros encerram a edição: Vicente Eduardo Soares de Almeida e Karen Friedrich comentam o livro Entre controvérsia e hegemonia: os transgênicos na Argentina e no Brasil, de Renata Motta, publicado pela Editora Fiocruz, e Lucas Salvador Andrietta faz a crítica da obra Planos de saúde e dominância financeira, de José A.F. Sestelo, da editora da UFBA.

Mais informações:
Revista Trabalho, Educação e Saúde
Tel. (21) 3865-9850

Paulo Guanaes
EPSJV/Fiocruz

Pin It