Ilustração de Gustave Doré

“Cervantes Plural”, organizado por Maria Augusta Vieira, reverencia um clássico da literatura universal

Os leitores de Miguel de Cervantes (1547-1616), expoente da literatura espanhola que se imortalizou com Dom Quixote, lançado em 1605 com o título El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha, têm uma referência importante para conhecer e refletir sobre a obra do escritor. Cervantes Plural: Dom Quixote, Novelas Exemplares, Persiles e Teatro, livro organizado pela professora Maria Augusta da Costa Vieira, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, apresenta uma diversidade de estudos, possibilitando uma análise multifacetada da obra cervantina.

O lançamento é da Editora Humanitas, ligada à FFLCH. “É o primeiro livro que reúne artigos do grupo de pesquisa Cervantes: Poética, Retórica e Formas Discursivas na Espanha dos Séculos 16 e 17”, explica Maria Augusta. “O grupo foi criado há aproximadamente 20 anos, quando, na minha condição de orientadora de trabalhos de mestrado e doutorado, foi se tornando evidente a necessidade de complementar a formação de nossos alunos de pós-graduação com encontros periódicos para leitura e discussão de estudos teóricos e críticos sobre a obra de Miguel de Cervantes.”

Segundo a professora, no decorrer dos anos o grupo foi se tornando numeroso e realizando iniciativas como o Simpósio Internacional: Dom Quixote 400 Anos, com apoio da FFLCH e do Instituto Cervantes de São Paulo, em 2005, e o Simposio Hispano-Brasileño de Jóvenes Hispanistas del Siglo de Oro, em 2013. Organizou também, em 2015, o 9º Congreso Internacional de la Asociación de Cervantistas (Cindac), entre outros eventos.

Cervantes Plural: Dom Quixote, Novelas Exemplares, Persiles e Teatro reúne textos em espanhol e português. Estão divididos em cinco capítulos: “Cervantes: seu mundo e seus entornos”, “Dom Quixote: damas, escudeiros, festa e teatro”, “Novelas exemplares: personagens femininas, mescla de gêneros e diálogos ‘Cínicos’”, “O teatro de Cervantes e Los Trabajos de Persiles Y Sugismunda: epílogos dramáticos e estratégias poéticas” e “Recepção da obra cervantina”. Os capítulos vão compondo o perfil do escritor, as suas histórias e detalhes dos personagens, questionando e respondendo às razões de povoarem o imaginário contemporâneo.

"Não se iluda, prezado leitor, se pensa encontrar a prova definitiva da origem de um dos personagens mais conhecidos de nossa literatura. Os ingredientes que Cervantes usou para criar o gracioso escudeiro ainda permanecem secretos.”

“Desde que a primeira parte da obra foi lançada, em 1605, com o título de El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha, as aventuras de Dom Quixote e de Sancho Pança passaram a fazer parte do imaginário de inúmeras gerações de leitores”, comenta a professora Valéria da Silva Moraes, num dos artigos publicados no livro. “A repercussão que o livro obteve foi imediata, pois pouco tempo após sua publicação a dupla de personagens já servia de mote em festas como as mascaradas”. A estudiosa aponta a recepção da obra ligada ao entretenimento já em seu tempo, “trazendo à baila a dimensão cômica do Quixote, como já apontado por renomados cervantistas como Peter Russell e Anthony Close”.

retrato de Cervantes
Fotomontagem com retrato de Cervantes, de autoria de Eduardo Balaca, no centro – Reprodução

Leila Kiyomura
Jornal Da USP

Pin It