música no Brasil

Estudo é sobre MPB e contracultura no periódico Rolling Stone

leber Sberni Junior defende, na Unesp  em Franca, SP, dia 12 de agosto, a pesquisa de doutorado em História ‘Imprensa e música no Brasil: Rock, MPB e contracultura no periódico Rolling Stone - 1972’.

O presente texto teve por intuito estudar a revista Rolling Stone, editada no Brasil entre dezembro de 1971 e janeiro de 1973. Especificamente, procurou-se, ao longo do trabalho, analisar a forma como a revista integrou a cena rock carioca do início da década de setenta, ao promover e registrar a atividade de artistas, colaborando para a difusão do rock produzido por aqui.

Esse período registra uma marcante movimentação jovem transnacional influenciada pela contracultura, cujo ideário difundido circulava via música, livros e publicações. Também podemos identificar neste momento histórico, o desenvolvimento do mercado de bens simbólicos no Brasil, impulsionando tanto a indústria fonográfica, que atravessava um período de expansão e afirmação, como o mercado editorial de publicações periódicas, também em crescimento.

É, neste contexto, que Rolling Stone chegou às bancas, destinada ao público jovem e com perfil de revista especializada, que tratava em seu conteúdo de informações e notícias da movimentação em torno do rock, MPB e contracultura.

De fato, os gêneros predominantes em suas páginas são o rock internacional, o rock produzido no Brasil e a MPB de influência tropicalista. Em sua breve existência, 36 edições foram comercializadas em bancas de jornal, e como veículo, a revista possuiu um alcance de circulação nacional, prestando-se a fornecer informações sobre o panorama geral da cena musical, através de artigos, entrevistas e resenhas de discos.

Os textos publicados na revista apontam para aproximações entre o rock e a MPB. Fica evidente como a publicação, ao longo de suas edições, procurou dar visibilidade a uma movimentação de grupos de rock iniciantes e artistas que compartilhavam da valorização da contracultura e do diálogo com o rock.

Pode-se também afirmar que a revista faz parte da cena musical que ela mesma ajudava a fomentar, evocando momentos, valorizando experiências e eventos musicais, reclamando espaço para o rock e as bandas integrantes da cena. Ou seja, Rolling Stone se prestou a consolidar um circuito musical para o rock, atuando na construção de um público para esse gênero no país.

Comissão Examinadora
Tânia da Costa Garcia – Orientador
José Adriano Fenerick – FCHS
Fabiana Lopes da Cunha – UNESP/Ourinhos
Márcia Regina Tosta Dias – UNIFESP
Frederico Oliveira Coelho – PUC/Rio

Portal Unesp

Pin It