Tecnologia

Publicação, produzida em aproximadamente um ano de trabalho editorial, é resultado de vários anos de trabalhos em parceria das duas instituições: em pé, Silvana (à esq) e Maria Luiza; sentada, Mariza

Laboratório de Papel e Celulose do IPT e o Núcleo de Documentoscopia do Instituto de Criminalística da Superintendência de Polícia Técnico-Científica de São Paulo acabam de disponibilizar, em mídia eletrônica, o recém-lançado livro intitulado “Documentoscopia – o papel como suporte para documentos”. As autoras são as pesquisadoras do IPT Maria Luiza Otero D’Almeida e Mariza Eiko Tsukuda Koga e a diretora do Núcleo de Documentoscopia, Silvana Manzi Granja.

A publicação, produzida em aproximadamente um ano de trabalho editorial, é resultado de vários anos de trabalhos em parceria entre a instituição policial e a de pesquisas. As autoras acreditam que a obra será material básico de referência para a formação de peritos.

Segundo Silvana, a obra

Método de orquestração faz funcionalidades trabalharem em conjunto

Projeto desenvolvido no Laboratório de Sustentabilidade (LASSU) da Escola Politécnica (Poli) da USP resultou em uma proposta para ser aplicada em sistemas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), como Data Centers (locais onde estão alocados os centros de processamento de dados de empresas e organizações), visando a economia de energia. “Nós desenvolvemos um método de orquestração de funcionalidades de eficiência energética que permite a elas trabalharem em conjunto”, destaca a autora do projeto, a cientista da computação Ana Carolina Riekstin.

A pesquisadora explica que, atualmente existem diversas funcionalidades (as chamadas capabilities) que visam a economia de energia em Sistemas de TIC. Podem ser softwares ou protocolos de rede, aplicados em várias camadas da rede,

Processamento por extrusão agrega nanopartículas de prata ao plástico

Pesquisa do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), instituição associada a USP, desenvolveu filmes plásticos com nanopartículas de prata que possuem efeito bactericida. Os testes realizados com o material demonstraram sua eficácia na eliminação de bactérias causadoras de infecções em seres humanos, sem apresentar toxicidade. Os filmes poderão ser utilizados em embalagens de alimentos, para aumentar a vida útil dos produtos à venda. Futuramente, seu emprego pode ser estendido a instalações hospitalares e materiais cirúrgicos, como cateteres.

A pesquisa utilizou o polipropileno, um tipo de plástico de valor relativamente baixo, o que favorece sua utilização nos filmes. A ação bactericida das nanopartículas de prata acontece no contato direto com os micro-organismos. “Acredita-se que

O jogo Angry Birds trouxe diversos desafios para gerar conteúdos

No Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, foi desenvolvido um algoritmo capaz de gerar automaticamente conteúdo e novos níveis dentro de um jogo. O trabalho é parte da dissertação de mestrado de Lucas Ferreira, que será apresentada em breve no ICMC. O game utilizado para testar seu modelo foi o Angry Birds. “Procuramos um contexto em que alguns estudos ainda não haviam sido aplicados. Como o Angry Birds é baseado em física, ele nos traria diversos desafios para gerar conteúdos”, diz o estudante. Desde criança, Ferreira era um apaixonado por games. O gosto pelos jogos cresceu junto com ele e, hoje, ele aplica sua paixão pelo mundo virtual

Foto: Sebastião Araújo

Os agricultores de Goiás, Mato Grosso, Tocantins e Rondônia que forem cultivar o arroz de terras altas (de sequeiro) na safra de verão devem ficar atentos à época de semeadura. Novembro será o melhor mês para o plantio, pois haverá menor risco de a lavoura ter veranicos na fase mais crítica, o florescimento. Já as semeaduras que ocorrerem após novembro estarão sujeitas a pior distribuição de chuvas, o que pode levar à redução na produtividade.

Essas conclusões foram obtidas por meio de modelos de simulação, programa de computador que permite analisar de forma dinâmica a série histórica de dados diários climáticos (precipitação, temperatura e radiação solar), características de solos e da cultivar e prever

Financiado pela FAPESP, o sistema computacional poderá ser usado não apenas por pesquisadores do CeMEAI, mas também por outros pesquisadores vinculados a universidades e instituições de pesquisa do Estado de São Paulo

Foi inaugurado nesta terça-feira (14/07), na Universidade de São Paulo (USP), campus de São Carlos, o cluster computacional Euler do Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) – um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) apoiados pela FAPESP.

Adquirido ao custo de R$ 4,5 milhões, o sistema computacional para processamento científico de alto desempenho é o mais rápido instalado em universidades no Estado de São Paulo, de acordo com os coordenadores do projeto.

“O cluster foi instalado em janeiro e entrou em operação em março. Desde então já vem sendo utilizado por diversos usuários para realização de estudos que requerem computação de alto desempenho”, disse José

irrigador solar

Um irrigador automático que não usa eletricidade e ainda pode ser feito com materiais usados. Essa criação rústica e eficaz de um pesquisador da Embrapa poderá ajudar de pequenos produtores a jardineiros amadores a manter seus canteiros irrigados automaticamente pelo método de gotejamento.

Desenvolvido pelo físico Washington Luiz de Barros Melo, pesquisador da Embrapa Instrumentação (SP), o equipamento é baseado em um princípio simples da termodinâmica: o ar se expande quando aquecido. Melo se valeu dessa propriedade para utilizar o ar como uma bomba que pressiona a água para a irrigação.

Uma garrafa de material rígido pintada de preto é emborcada sobre outra garrafa que contém água. Quando o sol incide sobre a garrafa

Imagem do satélite GeoEye de áreas com ILPF em Tomé-Açu, PA.

Técnicas inovadoras baseadas em satélites, drones e lasers aerotransportados são as mais recentes ferramentas utilizadas pela ciência para monitorar a implantação de sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF). Cientistas exploram o potencial dessas tecnologias a fim de gerar informações estratégicas para o planejamento, manejo e identificação de novas áreas para a implantação de ILPF, em diferentes escalas. As aplicações vão desde o monitoramento das condições e do desempenho dos cultivos até estimativas de biomassa (quantidade de vegetação) e carbono estocado pelos sistemas.

Os métodos utilizados são semelhantes àqueles empregados para mapear e monitorar as pastagens, culturas agrícolas e florestas de forma isolada. O desafio, no caso da ILPF, é que essas atividades estão concentradas numa

Sistema vai modelar qualidade da água do rio Tietê entre Pirapora do Bom Jesus e Salto

O engenheiro ambiental João Rafael Bergamaschi Tercini, mestre pela Escola Politécnica (Poli) da USP, criou uma abordagem inédita para modelar a qualidade da água no trecho do rio Tietê entre as cidades de Pirapora do Bom Jesus e Salto. O ineditismo está na integração da modelagem de qualidade da água em rio e em reservatório. No trecho em questão existem quatro reservatórios. Por isso, a proposta foi apresentar um modelo que analisasse o problema conjuntamente no rio e no reservatório.

“É muito comum acharmos modelos prontos, mas que só dão conta de reservatórios ou só dão conta dos rios. Tercini criou um modelo integrado”, ressalta o orientador do trabalho, Arisvaldo Méllo, do Laboratório de

software livre

Braço educacional de CEPID apoiado pela FAPESP, a Os softwares livres estão mais presentes no nosso cotidiano do que muitas vezes podemos nos dar conta. Desde uma compra em supermercados até a declaração do imposto de renda, por exemplo, podem envolver o universo de programas de código aberto que permitem modificações e adaptações. Abaixo listamos alguns serviços e aplicações que são softwares livres ou os têm como base e sobre os quais provavelmente você já ouviu falar:

Android

Um dos mais famosos é o sistema operacional móvel do Google, o Android, que é baseado no Linux. A plataforma é a mais usada em smartphones em todo o mundo. Segundo pesquisa do Nielsen Ibope de

Software simula comportamento de agrotóxicos na natureza

Realizar a previsão do comportamento ambiental do agrotóxico antes mesmo de o produto ser aplicado na lavoura. Esse é o objetivo do Acha, sigla de Avaliação da Contaminação Hídrica por Agrotóxico, programa computacional que simula o comportamento ambiental de moléculas de agrotóxicos em cenários agrícolas brasileiros, com baixo custo, mais agilidade na avaliação dos resultados.

O software está em fase de validação e será disponibilizado daqui a dois anos, aproximadamente. Mas já é certo que o sistema substituirá métodos dispendiosos de avaliação de riscos ambientais.

O software simula o comportamento de agrotóxicos em cenários agrícolas brasileiros, e gera como resultados a avaliação da profundidade que um agrotóxico poderá chegar, informando o potencial de contaminação