Tecnologia

Sistema é conectado à internet e aos serviços de previsão do tempo

Alunos do Instituto de Ciências Matemáticas (ICMC) da USP criaram um sistema eficiente e inteligente de irrigação para pequenos produtores rurais. A iniciativa ganhou o mundo e está entre 45 projetos selecionados para participar de um concurso mundial de melhores práticas relacionadas à economia de água na produção de alimentos: o Best Climate Practices.

Chamado Cultive, o sistema é capaz de determinar quando e quanto regar uma planta. Um sensor detecta se o solo está seco e aciona a válvula de água, que irriga a planta por um curto período de tempo. Depois de três horas, o sensor detecta novamente a umidade para verificar se é preciso uma nova irrigação. Conectado à internet e aos

Frank Patrick Missell, da Universidade de Caxias do Sul, em palestra na ABM

O estado da arte dos materiais magnéticos e a evolução das tecnologias a eles relacionadas foram discutidos na 22ª edição da Soft Magnetic Materials Conference (SMM), na Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração (ABM), em São Paulo (SP), de 13 a 16 de setembro.

Pela primeira vez o evento, organizado bianualmente por entidades europeias ligadas ao setor, foi realizado no continente americano. Para Fernando Jose Gomes Landgraf, presidente do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e coordenador da conferência, a escolha do Brasil evidencia a importância do país na área.

“A comunidade brasileira tem tido uma presença importante nesse ramo da ciência e da tecnologia ligado ao magnetismo de materiais, de extrema relevância para

As estações totalizam 540 kW de potência instalada no campus da USP

Projeto que implantou quatro estações de energia solar fotovoltaicas, integradas ao sistema de abastecimento de energia elétrica, no campus da USP, em São Paulo, conquistou o “1º Premio Inovação e Tecnologia Brasil Solar”, promovido pelo EnerSolar+Brasil – Feira Internacional de Tecnologias para Energia Solar. O sistema foi desenvolvido pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEE) da USP, com participação da Escola Politécnica (Poli-USP) e das empresas Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP) e Cesp. A premiação aconteceu pela contribuição do projeto no avanço do conhecimento, que ficou em primeiro lugar na categoria “Melhor Projeto Acadêmico de 2015”.

De acordo com o professor Roberto Zilles, do IEE, que coordenou o projeto, as quatro

iSports coleta e compara dados para indicar jovens com maior potencial

Um sistema desenvolvido por alunos de pós-graduação do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP e coordenado por Francisco Louzada, pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) — um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) —, promete revolucionar a busca por atletas de ponta nas escolas brasileiras. A partir de um modelo estatístico, o iSports coleta e compara diversos dados para indicar quais jovens têm mais chances de se tornarem esportistas.

O produto, que será finalizado antes das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, foi modelado a partir de alguns testes realizados com os

Startup desenvolve sistema de reconhecimento biométrico combinando face e íris

Os processos de autenticação por biometria – em que o reconhecimento do usuário durante a solicitação de acesso a um sistema, como o de um caixa eletrônico em um banco, por exemplo, feito por meio de impressões digitais –podem ser muito mais seguros do que são hoje.

Uma empresa nascente de tecnologia (startup) sediada em Campinas, no interior de São Paulo, desenvolveu uma tecnologia de reconhecimento multibiométrico combinando face e íris que promete oferecer maior confiabilidade na identificação de usuários do que os sistemas existentes hoje, baseados no reconhecimento biométrico de impressões digitais, das veias da mãos ou só da face ou da íris isoladamente.

Desenvolvida durante projetos apoiados pelo programa Pesquisa Inovativa em

Com o projeto “Descoberta e desenvolvimento de novos medicamentos com propriedades de sinalização seletiva: uma nova geração de medicamentos com menos efeitos colaterais”, o grupo de pesquisa liderado pelo professor Claudio Costa-Neto, do Departamento de Bioquímica e Imunologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP venceu o prêmio BioBusiness Brasil 2015. O concurso foi promovido pela Fundação Instituto Polo Avançado da Saúde (FIPASE) e pela SUPERA Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Ribeirão Preto, e anunciado no final de julho.

As pesquisas no laboratório do professor Costa-Neto levaram à descoberta de novas moléculas sintéticas que quando testadas em receptores celulares chamados GPCRs (do inglês “GProtein Coupled Receptors”), resultaram em uma atividade de

Celso Lafer, presidente da FAPESP, e Leonel Fernando Perondi, diretor do Inpe, em encontro na sede da Fundação

Dirigentes da FAPESP e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) assinaram na terça-feira (1º/09) um acordo de cooperação para pesquisa.

Na sede da FAPESP, Leonel Fernando Perondi, diretor do Inpe, e Milton de Freitas Chagas Junior, presidente do Núcleo de Inovação Tecnológica do instituto, foram recebidos por Celso Lafer, presidente da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico, e José Goldemberg, membro do Conselho Superior e presidente designado da Fundação a partir de 8 de setembro.

Voltado a empresas sediadas no Estado de São Paulo, o objetivo do acordo é apoiar projetos cooperativos de pesquisa que levem ao desenvolvimento de novas tecnologias, sistemas e equipamentos, com base em temas estabelecidos conjuntamente por

Foto: Lucas Scherer

Um abatedouro instalado em um caminhão ajudará pequenos suinocultores a realizar abates respeitando padrões de sanidade e bem-estar animal. Desenvolvido pela Embrapa Suínos e Aves (SC) e pela empresa Engmaq, do Município catarinense de Peritiba, a instalação, por ser móvel, tem a vantagem de poder atender vários produtores de uma localidade e ajudará a diminuir o custo da atividade, além de oferecer segurança alimentar aos produtos que chegam à mesa dos consumidores. A tecnologia também permite que produções em pequena escala tenham legalização fiscal e possam até ser vendidas para outros municípios ou estados.

O abate dos animais é um problema de difícil solução para quem trabalha com produção em pequena escala, voltada a

Teste de software não é diferente dos que são feitos em outros produtos do dia a dia

Com o intuito de colaborar para aprimorar a qualidade de produtos de software, pesquisadores do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Software Livre (NAP-SoL) e do Centro de Competência em Software Livre (CCSL), sediados no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos, desenvolveram um portal que disponibiliza material aberto abordando a automatização de Teste de Software.

De acordo com o pesquisador da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Auri Vincenzi, o teste de software não é diferente dos testes que são feitos em outros produtos que usamos no dia a dia, a exemplo de automóveis, refrigeradores, micro-ondas ou celulares. “Testar um software significa executá-lo procurando expor possíveis problemas

Apresentação do novo Cepid teve lugar no auditório do Tanque de Provas Numérico (TPN)

A Escola Politécnica (Poli) da USP é  sede de um novo Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid). Denominado Centro de Pesquisa para a Inovação em Gás Natural (CIG), o projeto tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da BG Brasil (ligada ao BG Group, empresa da área de energia). A apresentação do novo Cepid aconteceu no dia 13 de agosto, no auditório do Tanque de Provas Numérico (TPN) da (Poli).

Com a coordenação do professor Julio Meneghini, do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica, e de Alexandre Breda, gerente de Projetos Ambientais da BG Brasil, esse é o 18º Cepid da Fapesp. Durante os

Foto: Rodolfo Buhrrer

Interessados em plantios florestais com fins econômicos têm agora acesso gratuito a softwares de manejo de precisão e análise econômica de florestas plantadas, com modelagem de crescimento e produção. Desenvolvidos desde a década de 1980 pela Embrapa Florestas (PR), e em uso por mais de 300 empresas, as versões básicas da Família SIS estão disponíveis para acesso no Portal da Embrapa. "O aumento do interesse por plantios florestais por pequenos e médios produtores rurais e também a universalização da base de dados que constituem os sistemas, já amplamente testados e validados, possibilitaram que tomássemos essa iniciativa", explica o pesquisador Edilson Batista de Oliveira, da Embrapa Florestas, responsável pelo desenvolvimento dos sistemas.

Os softwares da