Tecnologia

veículos de comunicação

Atualmente, o consumidor tem a necessidade de controlar mais seus gastos, principalmente com a elevação de impostos e aumento nas contas de água e luz. Para isso, ele possui à sua disposição alternativas que auxiliam a identificar as melhores ofertas em termos de preço e qualidade. Porém, não é sempre fácil encontrar informações completas sobre as lojas.

Com isso, tanto o consumidor quanto o empreendedor dedicado saem perdendo, principalmente quando o empresário assegura o padrão de produção a custos compatíveis com a realidade do mercado. Assim, a aproximação com o cliente por intermédio da propaganda em veículos de comunicação é o recurso mais indicado para driblar a crise e a concorrência.

E para o

trânsito

Máririo Cleber Bidóia, do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação da Unesp de São José do Rio Preto, apresentou, no dia 13/10 a dissertação de mestrado intitulada “Simulação de um sistema de reputação centralizado para VANETs".

Resumo
Atualmente um paradigma de redes Ad Hocs tem sido amplamente estudado e desenvolvido, estas são as redes Ad hoc veiculares (VANETs – Vehicular Ad hoc NETworks). Partindo do pressuposto que os carros estão cada vez mais “inteligentes”, as VANETs surgiram com a proposta de proporcionar a comunicação entre os veículos das rodovias. Esta comunicação visa garantir maior segurança para os membros envolvidos no trânsito. Para garantir esta segurança é necessário que os dados trocados entre os

Trabalho conquistou o 1º lugar no 5º Salão de Inovação do 9º CBR&C

O trabalho Previsão da velocidade de fluxo livre em autoestradas e rodovias de pista dupla paulistas conquistou o 1º lugar entre os trabalhos submetidos ao 5º Salão de Inovação do 9º Congresso Brasileiro de Rodovias e Concessões (CBR&C). Realizado na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP, pelo doutorando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes, Gustavo Riente de Andrade, o estudo foi premiado pelo comitê científico da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR). O trabalho trata da calibração dos métodos de cálculo do nível de serviço oferecido em rodovias para as condições brasileiras, como a obtenção da velocidade de fluxo livre.

A pesquisa teve orientação dos professore Cira Souza

Novo centro funcionará em conjunto com a unidade de criopreservação

Pesquisadores do complexo Hospital das Clínicas (HC) e Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) terão mais estímulo para fazer suas atividades de pesquisa e inovação. Dia 6 de outubro, foi inaugurado o Centro de Armazenamento de Amostras Biológicas com 100 frezeres a – 80°. O novo centro é equipado com tecnologia de ponta e funcionará em conjunto com a unidade de criopreservação —tanques de nitrogênio líquido.

O Centro possui um sofisticado sistema de controle de temperatura e segurança e faz parte do programa Rede de Equipamentos Multiusuários (Premium) da FMUSP, que dá acesso aos pesquisadores do complexo HC/FMUSP às mais modernas tecnologias da pesquisa biomédica contemporânea.

Segundo Roger Chammas, responsável pela gestão do programa

Os impactos das novas tecnologias da informação na forma como vivemos e trabalhamos foram debatidos em evento que reuniu pesquisadores alemães e brasileiros na sede da FAPESP

Caminhamos em direção a um mundo em que não apenas telefones, tablets e televisores serão espertos (smart), mas toda a casa, os veículos, as indústrias, as fazendas, os dispositivos médicos e tudo aquilo que nos cerca. Nesse smart ecosystem, os aparelhos estarão integrados, equipados com sensores para coleta de dados em tempo real e conectados à internet.

Os impactos das novas tecnologias na forma como vivemos e trabalhamos, bem como os riscos e as implicações do compartilhamento de dados pessoais no ciberespaço, foram tema do 4º German-Brazilian Dialogue on Science, Research and Innovation, realizado nos dias 29 e 30 de setembro na sede da FAPESP.

Segundo Reiner Anderl, professor da Technische Universität Darmstadt, da

newsgame

Alinhado à Política de Acesso Aberto da Fiocruz, o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz) inovou e criou um produto para atingir o público em geral e incentivar o debate sobre Acesso Aberto: o newsgame Jogo do Acesso Aberto. O pré-lançamento foi realizado durante a 6° Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto (Confoa 2015), que ocorreu em Salvador (Bahia) de 4 a 7 de outubro.

Para Miguel Sicart, estudioso de games e pesquisador do Centro de Pesquisas de Jogos de Computador da IT University of Copenhagen (Dinamarca), “newsgames são jogos sérios baseados em eventos atuais, produzidos com a intenção de estimular o debate público”. E é exatamente esse o objetivo do newsgame idealizado

Filme biopolimérico para embalar pão de forma possui aditivos antifúngicos

Pesquisadores do FoRC – Food Research Center (Centro de Pesquisa em Alimentos), com sede na USP, estão desenvolvendo filmes feitos de fontes renováveis para embalar alimentos. Os filmes são materiais finos, transparentes e maleáveis, com aparência de plástico, aos quais podem ser acrescentados aditivos na tentativa de fazer com que a embalagem tenha outras funções além de proteger os alimentos. A professora titular Carmen Tadini, do Departamento de Engenharia Química da Escola Politécnica (Poli) da USP, vem se dedicando no desenvolvimento de um filme biopolimérico, com base de amido, com aditivos antifúngicos para embalar pão de forma.

“O objetivo é tentar substituir parcial ou totalmente os aditivos químicos que são hoje usados na massa

Cálice de Licurgo: há séculos artistas plásticos utilizam efeitos plasmônicos em suas obras

A combinação das propriedades de ondas eletromagnéticas (luz) com nanoestruturas metálicas pode melhorar o funcionamento de biossensores ópticos, que detectam variações na intensidade destas ondas quando interagem com átomos ou moléculas. Um exemplo da aplicação dos biossensores é na detecção da porfirina, molécula existente no sangue humano que absorve a luz visível, o que altera seu comportamento químico, podendo ser usada, por exemplo, como marcador de células tumorais de câncer. A pesquisa foi desenvolvida no Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP.

O professor Euclydes Marega Júnior, do Grupo de Óptica do IFSC, explica que campos eletromagnéticos podem ter sua intensidade aumentada em milhares de vezes se forem confinados em estruturas metálicas

Placas iluminadoras poderão substituir lâmpadas fluorescentes tradicionais

A utilização de vidros ópticos dopados com íons terras raras luminescentes (elementos químicos também conhecidos como lantanídeos) permite gerar luz branca com potencial aplicação em iluminação de mais alta eficiência, conforme demonstrou uma recente pesquisa do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), que foi coordenada pela professora Andrea de Camargo, do Grupo de Ressonância Magnética do Instituto. Na busca por alternativas energéticas de baixo custo e alta eficiência, os dispositivos que geram luz branca e que são baseados em vidros dopados podem ser utilizados na forma de placas iluminadoras e filmes finos, com maior apelo estético, substituindo lâmpadas fluorescentes tradicionais que contêm mercúrio (substância tóxica) e gases de alto custo.

Os vidros são

Acordo prevê chamada de propostas conjunta para pesquisas em pequenas empresas que desenvolvam tecnologias para aplicação em cidades paulistas

A FAPESP e a Informática de Municípios Associados (IMA), empresa de economia mista voltada à prestação de serviços na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e que tem como principal acionista a prefeitura de Campinas, assinaram na quinta-feira (1º/10) um acordo de cooperação para apoiar a investigação científica e tecnológica realizada em pequenas empresas sediadas no Estado de São Paulo.

O objetivo do acordo, válido por cinco anos, é promover projetos cooperativos de pesquisa que levem principalmente ao desenvolvimento de novas tecnologias, sistemas, softwares e aplicativos, entre outros.

Os projetos devem ter como base temas estabelecidos conjuntamente pela FAPESP e pela IMA, visando à busca de ideias que, aplicadas, possam tornar as

Avanços na tecnologia do cotidiano dependerão cada vez mais do controle microscópico da luz

Em uma década, computadores, tablets e celulares sofrerão uma transformação invisível, movida a luz. Na aparência, não deverão ser muito diferentes. Mas seu funcionamento será mais rápido e consumirá menos energia elétrica graças a um novo conjunto de tecnologias para manipular a luz na escala microscópica. Novas tecnologias já estão permitindo a construção dos chamados chips nanofotônicos de silício.

Assim como os chips de silício convencionais, os nanofotônicos são feitos de peças eletrônicas microscópicas. A diferença crucial é que, em vez de serem integrados por circuitos de fios metálicos, responsáveis por transmitir os sinais elétricos, os componentes do novo chip se comunicam por meio de sinais de luz, mais especificamente laser. A vantagem dos