Concepção artística de um gêmeo de Júpiter em torno da estrela HIP 11915

Uma equipe internacional de astrônomos, liderada pelo professor Jorge Meléndez, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, descobriu um planeta com uma massa muito semelhante a de Júpiter. Além disso, o novo planeta orbita uma estrela parecida ao Sol, chamada de HIP 11915, e quase na mesma posição que Júpiter ocupa no Sistema Solar.

A nova descoberta foi feita com o auxílio do HARPS, um dos instrumentos mais precisos a detectar exoplanetas, montado no telescópio de 3,6 metros do ESO (Observatório Europeu do Sul) em La Silla, no Chile.

O novo planeta foi descrito no artigo “The Solar Twin Planet Search II. A Jupiter twin around a solar twin”, publicado na revista especializada Astronomy and Astrophysics. O professor Meléndez é co-autor do artigo que tem como autora principal Megan Bedell, da Universidade de Chicago.

Segundo os pesquisadores, a HIP 11915 tem aproximadamente a mesma idade que o Sol e composição semelhante, o que sugere que possam existir também planetas rochosos em órbitas mais próximas da estrela. Até agora, os rastreios de exoplanetas têm sido mais sensíveis a sistemas planetários que são povoados nas suas regiões mais internas por planetas com massas de, no mínimo, algumas vezes a massa da Terra. Esse aspecto contrasta com o Sistema Solar, onde existem pequenos planetas rochosos nas regiões interiores e gigantes gasosos como Júpiter mais para o exterior.

“Após duas décadas de busca de exoplanetas, estamos finalmente vendo planetas gigantes gasosos de período longo semelhantes aos do nosso próprio Sistema Solar, graças à estabilidade de longo termo de instrumentos “caçadores de planetas” como o HARPS. Esta descoberta é, em todos os aspectos, um sinal muito estimulante de que existem outros sistemas solares à espera de serem descobertos”, explica Megan.

A assinatura química do Sol pode estar parcialmente marcada pela presença de planetas rochosos no Sistema Solar, o que aponta para a possibilidade de existência de planetas rochosos em torno de HIP 11915. Embora já se tenham descoberto muitos planetas semelhantes a Júpiter a uma variedade de distâncias de estrelas do tipo solar, o planeta descoberto, tanto em termos de massa como de distância à sua estrela hospedeira, e em termos de semelhança entre esta estrela e o nosso Sol, é o análogo mais preciso encontrado até agora do Sol e de Júpiter.

São necessárias ainda observações de acompanhamento para confirmar e delimitar a descoberta, mas HIP 11915 é, até agora, uma das mais promissoras candidatas a abrigar um sistema planetário semelhante ao Sistema Solar.

Importância de Júpiter
De acordo com as teorias atuais, a formação de planetas com a massa de Júpiter desempenha um papel importante na arquitetura de sistemas planetários. A existência de um planeta com a mesma massa e numa órbita semelhante à de Júpiter em torno de uma estrela do tipo do Sol abre a possibilidade de que o sistema planetário em torno desta estrela seja semelhante ao próprio Sistema Solar.

A arquitetura do Sistema Solar, tão propícia ao desenvolvimento de vida, foi possível graças à presença de Júpiter e da sua influência gravitacional exercida no Sistema Solar durante a fase da sua formação.
“A procura de uma Terra 2.0 e de um Sistema Solar 2.0 completo, é um dos esforços mais excitantes da astronomia. Estamos muito entusiasmados por fazer parte desta investigação de vanguarda, tornada possível pelas infraestruturas observacionais disponibilizadas pelo ESO”, ressalta Meléndez.

O ESO é uma organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia, financiado por 16 países, entre eles o Brasil e o Chile, país que abriga três observatórios de ponta mantidos pelo ESO.

(Com informações da Assessoria de Imprensa do ESO)

Foto: ESO/M. Kornmesser

Mais informações: (11) 3091-2840; email This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it. , com Jorge Meléndez

Valéria Dias
Agência USP

Pin It