Print
Category: Ciência
laboratório para vírus emergentes

Nesta segunda-feira (9/9), o Instituto Carlos Chagas (Fiocruz Paraná) inaugura as novas instalações do Serviço de Referência em Vírus Emergentes e Reemergentes da unidade, coordenado pela virologista Cláudia Nunes Duarte dos Santos. Desenvolvido desde 2009, o trabalho atua para além de atividades pontuais de laboratórios e ambulatórios, de forma integrada e propositiva junto ao Ministério da Saúde, nas esferas estadual e municipal, no âmbito da vigilância epidemiológica, prevenção e controle de doenças causadas por vírus, especialmente na região Sul do país.

Localizado na área laboratorial do campus da Fiocruz no Paraná, o espaço é exclusivo para a realização de diagnóstico de vírus zika, febre amarela, vírus do Oeste do Nilo, vírus da encefalite de Saint Louis, entre outras arboviroses de importância médica; e desenvolve suas ações em conjunto com o trabalho de pesquisa do Laboratório de Virologia da unidade regional. Participam da inauguração das novas instalações o representante da Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública do Ministério da Saúde (CGLAB/SVS/MS), André Luiz de Abreu, e o coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz, Rivaldo Venâncio da Cunha, entre outros convidados.

Protagonismo na pesquisa em virologia

Único atuando como sentinela na região Sul do país, o Laboratório de Virologia Molecular da Fiocruz Paraná participa de forma significativa do esforço empregado pela Fundação no desenvolvimento de pesquisas relacionadas aos vírus emergentes e reemergentes. O grupo foi responsável pela confirmação, através do sequenciamento do genoma viral, em maio de 2015, da presença do vírus zika em oito amostras humanas vindas do Rio Grande do Norte.

Em 2016, a equipe divulgou resultados de uma pesquisa que reforçou a relação entre o vírus e as más-formações congênitas. O Laboratório de Virologia Molecular da Fiocruz Paraná é um dos 50 Laboratórios de Referência da Fundação. Considerado referência em vírus emergentes na região Sul do país, oferece um conjunto de serviços para diagnóstico de infecções causadas por esses vírus e também por outros vírus emergentes como hantavírus em amostra de pacientes e roedores. Ademais, como uma das atribuições que definem um serviço de referência, dedica-se a desenvolvimento tecnológico para desenvolver reagentes ainda não disponíveis comercialmente para a identificação de novos vírus, assim como sua dinâmica de manutenção e transmissão na natureza, fortalecendo a vigilância epidemiológica e possuindo capacidade instalada para respostas rápidas a estes novos agentes.

Os Laboratórios de Referência da Fiocruz contribuem para o desenvolvimento de pesquisas que auxiliam na vigilância epidemiológica sanitária e ambiental. O objetivo principal é dar respostas a eventos que se constituem em emergência de saúde pública de importância nacional, prestando consultoria e assessoramento nas suas respectivas áreas de atuação. Os serviços destes laboratórios estão associados às atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico e geram conhecimento, processos e produtos, tais como a definição de metodologias, validação diagnóstica, assistência em áreas específicas, desenvolvimento tecnológico, formação de recursos humanos e a previsão de cenários com importante capacidade de respostas às demandas do Sistema Único de Saúde (SUS).

Fiocruz Paraná