Ciência

Ciência para Todos

A FAPESP e a Fundação Roberto Marinho/Futura produziram em parceria a série Ciência para Todos, que estreia em 19 de agosto, às 20h30, no Canal Futura. São, ao todo, 52 episódios, cada um deles com 13 minutos, mostrando os impactos sociais e econômicos de pesquisas científicas e tecnológicas financiadas pela FAPESP. Protagonizados por pesquisadores, os episódios da série também ficarão disponíveis em futuraplay.org.

O Ciência para Todos inspirou a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo a lançar, junto com a FAPESP e a Fundação Roberto Marinho/Futura, um concurso cultural para estudantes de ensino médio da rede pública estadual. O lançamento da série e do concurso ocorreu no dia 14 de agosto, na quadra

Triatoma infestans

Nos testes “in vitro” eles foram mais eficazes que a droga de referência usada no Brasil para tratar a doença

Pesquisadores da USP demonstram que uma nova família de compostos, à base do metal rutênio, possui alto potencial para ser utilizada como metalofármacos no tratamento da doença de Chagas. Os testes preliminares abrem possibilidades para o desenvolvimento de novos medicamentos. Os chamados “acetatos de rutênio”, compostos sintetizados em laboratório, se mostraram, inclusive, mais eficazes em testes in vitro que o Benzonidazol, medicamento de referência no Brasil utilizado no tratamento de pacientes nas fases aguda e crônica da doença.

“Os resultados foram bastante satisfatórios comparando a atividade biológica dos novos compostos de rutênio em relação ao

chikungunya é estudada em nível molecular

Ferramentas computacionais aplicadas à biologia estão revolucionando o modo de estudar o que acontece no interior das células durante uma infecção, ajudando a desvendar o mecanismo de doenças e a encontrar potenciais alvos terapêuticos.

Este é o caso de um trabalho publicado recentemente na revista PLOS Pathogens, no qual pesquisadores brasileiros analisaram células sanguíneas de pacientes infectados pelo vírus chikungunya. Com auxílio de técnicas de análise de redes complexas, inteligência artificial e aprendizado de máquina, o grupo identificou a assinatura gênica da doença, ou seja, um conjunto de genes cuja expressão é alterada pela interação com o patógeno. Em seguida, o papel que os genes envolvidos desempenham nas células foi mapeado, bem como sua importância

biodegradáveis

O amido de milho, uma matéria-prima abundante, barata e biodegradável, foi a base usada por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para o desenvolvimento de partículas capazes de armazenar e liberar controladamente compostos ativos letais para as larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika, febre amarela e chikungunya.

A metodologia teve a patente requerida por meio da Agência de Inovação da Unicamp (Inova) e foi descrita em artigo na revista Industrial Crops and Products.

No trabalho, apoiado pela FAPESP e coordenado por Ana Silvia Prata, professora da Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA-Unicamp), foi testado o óleo essencial de tomilho como agente larvicida. Esse óleo também é biodegradável e, na

 Felipe Fregni

O pesquisador Felipe Fregni, professor associado da Harvard Medical School e professor visitante da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), foi um dos contemplados com o Presidential Early Career Award for Scientists and Engineers (Pecase) em 2019, maior honraria científica concedida pelo governo dos Estados Unidos para jovens pesquisadores.

A cerimônia de premiação será realizada pela Casa Branca nesta quinta-feira (25/07) no DAR Constitution Hall, em Washington, onde os premiados deverão ser recebidos pelo presidente Donald Trump. Criado em 1996, o Pecase é destinado a cientistas e engenheiros reconhecidos como jovens lideranças em ciência e tecnologia. A última edição do prêmio ocorreu em 2016.

Nos Estados Unidos desde 2003, Fregni, 44 anos,

BMC Infectious Diseases

A ocorrência da Síndrome Inflamatória de Reconstituição Imune (Siri) em pacientes com coinfecção por tuberculose e HIV é uma resposta exagerada e desregulada do organismo contra M. tuberculosis, que ocorre com frequência após o início da terapia antirretroviral, mesmo com a diminuição efetiva da presença do vírus HIV no sangue e uma melhora temporal do quadro.

O pesquisador Bruno Bezerril, da Fiocruz Bahia, coordenou um estudo de caso em que uma mulher desenvolveu a síndrome imune associada com tuberculose após iniciar o tratamento para HIV, desencadeando diversos problemas de saúde. O trabalho, realizado em parceria com o National Institute for Research in Tuberculosis (NIRT) da Índia, foi publicado na BMC Infectious Diseases.

Estudo de caso

Large Collaborations in Astronomy and Cosmology

Grandes projetos colaborativos trazem ótimas possibilidades de pesquisa, a maioria difíceis de conseguir em grupos menores. É preciso ter em vista, no entanto, que empreendimentos do tipo exigem protagonismo na organização e grande dedicação ao diálogo com outros pesquisadores de diferentes partes do mundo.

É o que destacaram participantes do encontro Large Collaborations in Astronomy and Cosmology, promovido pelo Instituto Sul-Americano para Pesquisa Fundamental (ICTP-SAIFR) no Instituto de Física Teórica da Universidade Estadual Paulista (IFT-Unesp), no dia 28 de julho de 2019.

“Grandes colaborações científicas são importantes por pelo menos duas razões. A mais óbvia é que para construir algo grande é preciso iniciar um movimento [de pesquisadores e instituições]. De outra forma, não haverá

Reunião Anual da SBPC

Três das principais conquistas científicas nos últimos anos – a detecção do bóson de Higgs, em 2012, e das ondas gravitacionais, em 2015, e a obtenção da primeira imagem de um buraco negro, em 2019 – têm algo em comum: são grandes projetos colaborativos, com a participação de pesquisadores de diversos países, incluindo o Brasil.

Esse tipo de projeto de cooperação internacional deverá se tornar cada vez mais rotineiro nos próximos anos, quando entrarão em operação megatelescópios e grandes instalações de pesquisa em diferentes lugares no mundo.

A fim de possibilitar a participação efetiva da comunidade científica brasileira é preciso assegurar a estabilidade dos recursos financeiros. A avaliação foi feita por participantes de uma mesa-redonda

Laboratório de Entomologia

Dados do Ministério da Saúde apontam que a maioria dos casos de malária no país se concentra na região Norte, sendo o Plasmodium vivax o principal causador da doença. Entre 2017 e 2018, foram realizadas 345.975 notificações de pacientes infectados pelo parasito só na Amazônia, o que justifica a necessidade de estudos mais aprofundados sobre os aspectos epidemiológicos e clínicos ligados à infecção pelo P. vivax.

Para uma melhor compreensão da relação parasito-hospedeiro e para propor alternativas ao tratamento de pacientes infectados com malária, pesquisadores do Laboratório de Entomologia da Fiocruz Rondônia criaram a primeira colônia de mosquitos do gênero Nyssorhynchus darlingi ou Anopheles darlingi, como é mais conhecido o principal vetor da doença no

densidades dos sistemas estudados

Um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) descreveu, em estudo publicado na revista Scientific Reports, um resultado teórico importante que poderá contribuir para o desenvolvimento da computação quântica e da spintrônica, a tecnologia baseada nos spins ou momentos angulares dos elétrons.

O estudo foi coordenado por Antonio Carlos Seridonio, professor no Departamento de Física e Química da Unesp, no âmbito de um Auxílio à Pesquisa da FAPESP com participação de seus pós-graduandos Yuri Marques, Willian Mizobata e Renan Oliveira.

Os pesquisadores observaram que, em sistemas chamados de semimetais de Weyl, a quebra de simetria temporal produz moléculas com a capacidade de codificar informações.

Esses sistemas são uma espécie de versão tridimensional do grafeno

projetos científicos

O Programa EmergeLabs Eurofarma anunciou os 16 projetos científicos selecionados em sua primeira edição. Segundo os organizadores, após avaliação de 70 projetos inscritos, considerando critérios como impacto, criatividade, audácia, atualidade e comunicação, os projetos escolhidos representam diversas instituições, como Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal de Campina Grande, entre outras.

As equipes selecionadas são compostas por professores, estudantes e pesquisadores de mestrado, doutorado ou pós-doutorado. Entre os projetos selecionados destacam-se pesquisas para novos fármacos, terapias e análises clínicas. A lista completa dos projetos está disponível no site da Eurofarma.

Os membros dos projetos selecionados terão quatro rodadas de formação na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade