Marieta Severo e Fausto Silva

urante entrevista no Domingão do Faustão, no último domingo (28), na TV Globo, o apresentador Fausto Silva criticou a situação política e econômica do Brasil e foi surpreendido com a resposta da atriz Marieta Severo. Ele questionou a opinião da artista sobre a atual situação do país: "A única coisa organizada no Brasil é o crime. Falta estrutura para tudo, falta seriedade. Somos o país da corrupção, da crise, do desemprego. E, para alguns, vira o país da desesperança. Qual sua análise disso?". 

Marieta discordou de Faustão e respondeu: "Sou sempre otimista. Não acho que sejamos o país da desesperança. Acho que o país caminhou muito nos últimos. Estamos em crise sim. Mas uma coisa que é muito importante nisso tudo é a inclusão social, a luta contra a desigualdade. A gente teve muito isso nos últimos anos e é o que fala à minha alma".

A partir dessa polêmica, Valdemir Pires, professor da Unesp, da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, escreveu o texto abaixo:


Brasil, o país das dez esperanças,
Que precisam ser renovadas até que a realidade mude:

1. Esperança de redução progressiva das desigualdades entre os brasileiros, do ponto de vista da renda funcional, regional e de oportunidades.

2. Esperança de integração na América Latina, de braços abertos para a História e o destino comuns, não só nos fluxos de comércio e financeiros, mas também nas trocas culturais.

3. Esperança de avanços civilizatórios que redundem em menos preconceitos raciais, de gênero, de culto, de classe, com crescente respeito às minorias e grupos vulneráveis.

4. Esperança de surgimento de uma imprensa verdadeiramente livre, com jornalistas profissionais, que cumpram seu papel de informar e contribuir com a instrução, ao invés de subordinar-se a interesses próprios ou partidários.

5. Esperança de consolidação democrática, no sentido profundo e não apenas formal, de modo que à simples menção da palavra ditadura haja uma reação de todos contra a barbárie.

6. Esperança de desenvolvimento socioeconômico inclusivo e sustentável, baseado em métodos e valores que respeitem as idiossincrasias históricas e populacionais do país, globalmente integrado, mas com preservação da cultura e de padrões de sobrevivência aceitáveis do ponto de vista humanitário.

7. Esperança de redução da corrupção em todos os lugares, comportamentos e instituições (públicas, privadas e do terceiro setor), a ponto de a confiança mútua e o respeito ao outro e à res publica se tornarem cada dia menos dignos de nota e mais elementos típicos da paisagem humana no seu quotidiano.

8. Esperança de construção de instituições e implementação de práticas políticas construtivas, de modo a chegar-se a um Estado e a governos realmente republicanos e democráticos, responsáveis e responsivos, voltados para o bem-comum e pavimentação de um futuro menos sombrio.

9. Esperança de construção de instituições e implementação de práticas jurídicas que funcionem tempestivamente e baseadas no princípio de inocência até prova em contrário, acessível a todos, com igual respeito e rigor.

10. Esperança de construção de instituições educacionais e de uma cultura de aprendizado contínuo, humanisticamente bem dotadas, capazes de preparar os indivíduos para o exercício profissional competente, para a vida em sociedade e para prática do bom e do belo de modo compartilhado e tolerante.

Valdemir Pires é professor da Unesp, da Faculdade de Ciências e Letras em Araraquara.

Portal Unesp

Pin It